Assine o CORREIO
menu
publicidade
publicidade

Cidade e Região

A pururuca que caiu no gosto dos brasileiros

Em cinco anos de sociedade, Lucy e João Eduardo multiplicaram por dez a produção do petisco

Um empreendimento para dar certo precisa, antes de tudo, que seu idealizador acredite no negócio. É assim que pensam os sócios João Eduardo Franco dos Santos e Lucy Yumi Yamauchi, donos da Pururuca Mineira, empresa uberlandense que fabrica pururuca, pele suína desidratada que abastece o mercado de oito estados brasileiros: além de Minas Gerais, São Paulo, Goiás, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Tocantins, Pernambuco e Pará.

Em cinco anos de funcionamento, a empresa quadruplicou o faturamento e multiplicou por dez a produção do petisco que faz parte da comida típica do Estado de Minas Gerais e que também está presente em menus de bares e restaurantes de muitos outros estados. “Nós sempre acreditamos no nosso produto”, disse Santos. “Tivemos que usar a criatividade para nos adequarmos às exigências legais e, assim, conquistar novos mercados além de Uberlândia”, afirmou Lucy Yamauchi.

Em 2006, quando se conheceram e resolveram investir num negócio próprio, os sócios compraram as instalações de uma fábrica de pururuca que estava paralisada. Ela existia desde 1996 e vendia pururuca frita apenas em Uberlândia. “Acredito que é porque os antigos donos não tinham o selo que permitia a comercialização fora do município”, disse a empresária.

Os sócios adquiriram o nome fantasia, a fórmula e equipamentos, como fornos, mesas, panelas e fogões. No início mantiveram as frituras. Mas, segundo Lucy Yamauchi, depois mudaram a estratégia. “Vimos que a fritura não era viável, porque o retorno financeiro era pequeno. Mudamos para a pele seca, que tem maior prazo de validade, o processo é mais compacto e demanda menos mão de obra”, afirmou.

Como o ideal dos sócios era vender a pururuca para outras regiões do país, o próximo passo deles foi a busca de informações. “Já trabalhávamos sob as normas do Serviço de Inspeção Municipal (SIM), mas queríamos expandir nossos negócios e para isso precisávamos de certificação estadual e federal, e os procedimentos para a obtenção dos selos de qualidade são demorados”, disse Santos. “Foi um processo desgastante”, afirmou.

De acordo com Lucy Yamauchi, foram mais de três anos de processos burocráticos até chegar ao Sistema Brasileiro de Inspeção de Produtos de Origem Animal, que fornecia o selo Sisbi-POA, permitindo, então, que ela e seu sócio comercializassem seus produtos em outros estados. “O dinheiro necessário para a adequação da empresa às exigências do Sisbi veio de empréstimos em bancos”, disse.

Mudança

Atualmente a produção do petisco abastece oito estados

Os sócios então levaram a fábrica do fundo do quintal de uma casa de 250 metros quadrados no Jardim Patrícia, setor oeste de Uberlândia, para uma área de 650 metros quadrados no Mansour, também setor oeste da cidade. Além disso, compraram mais equipamentos e de posse da certificação começaram a vender a pururuca fora de Uberlândia. “Fomos os primeiros da região a conseguir essa certificação. Para o consumidor é a garantia de que o produto atende às exigências sanitárias”, afirmou Santos.

Lucy Yamauchi disse que a produção de 300 kg por mês, no início do negócio, saltou para 3 toneladas mensais atualmente. “Começamos com seis funcionários, mas como deixamos as frituras e mudamos o processo de fabricação, hoje estamos com quatro”, afirmou. Os funcionários são treinados pela própria empresa.

Sócios inovaram em formatos

Para conquistar novos mercados, os empresários João Eduardo Franco dos Santos e Lucy Yumi Yamauchi, proprietários da fábrica uberlandense, inovaram em cortes e nas medidas da espessura e da densidade da pururuca, que passaram a ser diferentes.

As pururucas são embaladas em fardos com 50 ou 100 unidades cada. Cada unidade pode ter 30, 50 ou 100 gramas, destinadas ao comércio varejista. As embalagens por quilo são para atacadistas e restaurantes. “Em todo o país, a pururuca é conhecida no formato quadrado. Pensamos em criar novos cortes, como as tiras e a minipururuca, que depois de frita parece pipoca”, afirmou Lucy Yamauchi.

Hoje, os produtos da Pururuca Mineira são consumidos em oito estados nas regiões Sudeste, Centro-Oeste, Nordeste e Norte do país. As pururucas chegam até os clientes por meio de frota própria — composta por dois furgões —, transportadoras e até pelos Correios. As vendas da empresa são feitas por telefone, via site da empresa e por comercialização direta. “Em São Paulo, vendemos diretamente para restaurantes que fritam e servem a pururuca nas refeições”, disse Santos.

Empresários querem novos mercados

Mas como não param de pesquisar e de inovar, os proprietários da fábrica uberlandense Pururuca Mineira, João Eduardo Franco dos Santos e Lucy Yumi Yamauchi, agora pensam em ganhar novos mercados.

Segundo Santos, o objetivo dele e de sua sócia é tornar a empresa conhecida nos demais estados brasileiros onde a pururuca produzida por ela ainda não é comercializada. Atualmente, a empresa abastece o mercado de Minas Gerais, São Paulo, Goiás, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Tocantins, Pernambuco e Pará.

“Depois, quem sabe, chegar ao exterior”, disse. “É preciso cultivar sonhos, ser criativo, ter perseverança e otimismo e, principalmente, acreditar naquilo que você se propôs a fazer”, afirmou Lucy Yamauchi.

Comentários

18 respostas para “A pururuca que caiu no gosto dos brasileiros”

  1. trabalho com pururucas para bares vendemos 600 espetos mensais, não estamos contente com a pururuca q vendemos, gostaria de saber o preço, agradecemos muito pelo atendimento . Marcio

  2. Amigos ja vendo a pururuca aqui em Paço do Lumiar-MA e tbm em São Luis-MA, porém estou tendo uma certa dificuldade, gostaria de informações sobre os seus preços.

  3. Boa Noite, sou de Pouso Alegre MG, e estou abrindo uma Distribuidora de Alimentos no PR, e queria saber mais sobre o produto de vcs, e tb ver se vcs tem enteresse de fazermos uma parceria.
    Se atendido o meu muito obrigado.

  4. Represento uma empresa de outro Estado, mas devido a distância as vezes fica complicado, tenho interesse em negociar com voces, caso dê certo. abraço Divonsir.

    Oi 9999-9997 Belém Pará

  5. Olá gostaria de saber o valor de todos os pacotes, e como faço para entrar em contato com os sócios João Eduardo Franco dos Santos e Lucy Yumi Yamauchi, pretendo investir no negocio para a região Goías e Mato Grosso, Urgente!

  6. Boa Tarde! Ao Setor de vendas dou representante de vendas no Piaui ,e venho manifestar meu interesse de trabalhar com voces,a região nordeste esta em crescimento
    segundo os especialista um lugar bom para se desenvolver.
    É acreditando nesse crescimento que venho buscando parcerias,trabalho ja a algum tempo com vendas em especial bebidas um setor muito propicio para vendas das pururucas. aqui na região em que moro tem um representante de pururucas e ele estar sozinho trabalhando na região mais falta um pouco de visão da empresa de mercado da empresa.
    Acreditando repito maais uma vez aqui no sul do Piaui tem muito mercado para ser explorado fico no aguardo de uma resposta acreditando na força do trabalho sem mais Nildomar. fone 0xx89 94208682 Claro

Deixe uma resposta


− 2 = sete

Ao enviar suas informações de registro, você indica que concorda com os Termos do serviço e leu e entendeu a Política de Privacidade do site do Correio de Uberlândia. Só serão liberados comentários cujos autores estejam identificados por nome e sobrenomes e que não contenham expressões chulas e/ou palavras de baixo calão.

Em função do período de campanha eleitoral e em atenção à legislação vigente, o CORREIO de Uberlândia se reserva o direito de não publicar comentários com viés político/eleitoral direta ou indiretamente direcionados aos partidos, agentes políticos, candidatos ou não, tanto na versão impressa quanto na internet.