Assine o CORREIO
menu
publicidade
publicidade

Cidade e Região

Advogado de eletricista tenta adiar júri popular

Reginaldo Ribeiro aguardará decisão na Jacy de Assis

Francisco Alves, advogado do eletricista Reginaldo Freitas Ribeiro, 28 anos, entrou com recurso no Tribunal de Justiça para evitar que ele vá a júri popular. Ribeiro é o principal acusado de atropelar e matar um motociclista de 36 anos e uma criança de 6, no bairro Nova Uberlândia, no dia 30 de abril deste ano.

Em julho, o eletricista não conseguiu provar a inocência durante a audiência de instrução e o juiz pronunciou no dia 23 do mês passado que ele iria a júri popular, para que pudesse ser julgado por homicídio doloso, quando há intenção de matar.

Alves diz que o cliente é inocente e que deve responder por homicídio culposo, quando não há intenção. “Foi um acidente, o Reginaldo não ingere bebida alcoólica há mais de dois anos”, disse.

Com o recurso em andamento, Reginaldo Freitas Ribeiro aguardará decisão judicial no Presídio Professor Jacy de Assis, onde está desde a data do crime.

Comentários

24 respostas para “Advogado de eletricista tenta adiar júri popular”

  1. O cara bebe, pega um carro sai por ai, se envolve num acidente mata uma pessoa, não presta socorro, atropela varias crianças que brincavam na rua, sai novamente sem prestar socorro e o advogado dele, simplesmente diz que o cara não tinha intensão de matar? Tem hora que eu acho que as declarações desse advogado não tem censo de respeito pela vida humana. Chega a ser absurdo uma defesa como essa, como se o motoqueiro morto tivesse culpa da coisa e pior do que isso só falta o advogado dizer que a criança é culpada, afinal ela nasceu no país errado, porque se quisesse permanecer viva deveria estar em outro pais. Desculpe, mais me sinto um nada ao ler auma declaração como essa. Todos tem o direito a defesa, mais também acredito que todos devem ser punidos quando erram, principalmente quando erram tirando a vida do outro. Vamos respeitar a vida das pessoas, inclusive nas declarações!

  2. Aqui em Uberlândia esse réu aí já está pré-julgado (embora isso não devesse existir). A esperança dele é o Tribunal de Justiça de MG, onde os desembargadores não assistiram o circo da imprensa aqui na cidade. Depois que inventaram essa tese fajuta de que se a vítima de acidente de trânsito morrer “é dolo eventual”, pobre de quem dirige.

  3. Com certeza ele deve ser mesmo inocente ,tadinho,culpados são as vitimas,uma criança de seis anos que estava brincando na calçada,e o motociclista que ele não prestou socorro,espero que que ele vá sim a juri popular e pegue a condenação máxima,já que no brasil não tem pena de morte,infelizmente.

  4. O eletricista praticou um homicidio doloso sim, dolo eventual! pode ate ser que ele nao teve a intenção de matar,
    porem o risco que ele assumiu foi muito grande!todos nos sabemos que ingerir bebida alcoólica e pegar um veiculo, este em alta velocidade, é imensa a chance de acontecer atrocidades como essa!ele só não matou o homem de 36 anos e a criança de 6; como deixou feridas mais crianças que estavam no mesmo local!

  5. o Alexandre Pires (Cantor Uberlandense) também atropelou e matou um Motociclista a alguns anos. O que aconteceu?? R: Nada!.. ´Nesse pais chamado Bananasil as leis so existem para os pobres.

  6. Tadinho dele. Agora ele é inocente. Não bebe nem água (somente aquele recipiente que sua esposa jogou na rua na persequição policial)…. Deve ser julgado e condenado. Pois assumiu o risco. Resta apenas o tribunal do juri confirmar o que a sociedade já tem certeza.
    Srs. Não esqueçam das vítimas, pessoas inocentes, que ele destruiu a vida delas.

  7. Pobre de você que pensa que crimes de trânsito não dá condenação. O Direito também acompanha o dinamismo da sociedade. Flexibilize o seu pensamento e seja mais justo com as circunstâncias.

  8. Pobre de você que não compreende os textos que lê. Quando falei em impunidade para crimes de trânsito no meu comentário? Se você não consegue compreender um comentário tão simples, sinto pena dos seus clientes, “Dr. Guilhotina” (rs). Se o senhor tiver um pouco de zelo, perceberá que a única previsão expressa na lei de trânsito para apenar homicídios na condução de veículo automotor é na modalidade culposa. Essa tese de “dolo eventual” é criação da doutrina, do mp e de alguns julgadores. Aprenda a ler. Se quiser eu desenho.

  9. Srs. Não existe indenização no mundo que pague a ausência das pessoas falecidas neste crime. Agora a defesa vem com o discurso de homem honesto, trabalhador, religioso e execelente cidadão.
    Será que ele ou seu pessoal já entrou em contato com os familiares das vítimas para pelo menos mostrar o seu arrependimento da besteira que ele fez? Moralmente será que ele pelo menos conseguiu fazer esta “boa conduta”.
    Resposta – Duvido!

  10. Quê???????? Esse Dr.Guilhotina deve ter tempo né???? No minimo é o estudantizinho de direito querendo aparecer…se é tão sabichão assim…pq não está lendo um livro para passar na OAB do que ficar falando asneiras por ai….

  11. E vc pé de pombo. Deve ser parente do acusado. Pois está defendendo ele.
    Fique sabendo o pé de pombo que não precisa estudar Direito para descobrir que o seu parente fez burrada na vida.
    Para vc de dizer asneiras!

  12. Tudo bem Dr. Marcelo. que o dolo eventual é uma tese doutrinária. Logo V.Exa sabe que não pode inerpretar o artigo de forma restrita. Mas sim de maneira ampla. Não vou discutir com V.Exa as teses doutrinárias, que o senhor tem a obrigação de conhecer, eu cidadão médio não preciso saber. Agora, seguir a lei seca, poderá acabar em situação complicada.
    Sobre os meus clientes, fique tranquilo que se for da área criminal eu os mandarei para vc, que é um profissional gabaritado. “Segue a lei” de começo ao fim. É isso aí. valeu!!

  13. Entendo que o “dr. guilhotina” defenda a pena de morte – afinal, para usar apelido tão tosco deve ter copiado por conta disso.
    Quem interpretou ao bel prazer o que eu escrevi foi o nobre “dr”. Como cidadão médio não deveria dar pitaco em assuntos que desconhece, mas começaria bem se soubesse ler o que os outros escrevem. Eu entendo, o ensino no país está mesmo jogado no lixo. Da mesma forma, diversos tribunais brasileiros, ao deixar a boa técnica de lado e seguir os reclames popularescos, estão enterrando o direito. É o famoso “direito achado na rua” (melhor seria se falassam em “achado no lixo”)
    Já ouviu falar de “taxatividade da lei penal”, “dr”.? Já ouviu falar de imprudência, negligência e imperícia (modalidades da culpa)? Vai estudando aí. Uma hora você aprende a interpretar as leis e expõe o rosto.

  14. advogado – Tenha Diguinidade pelo Menos das Familias, que Ficaram desoladas, dos Fatos que aconteceu.
    Sr Promotor, Encaminhe o Processo o quanto antes para o Tribunal do Juri – Pois Só assim
    estes Não Mais Irão abafar Fatos desta Natureza,
    Não Precisa de Mais Prova de que duas Pessoas Inocentes Foram
    assassinadas Bruscamente.

  15. “A equipe de defesa de Thor Batista, filho do empresário Eike Batista, conseguiu uma liminar na Justiça que suspende o processo referente ao atropelamento que levou um ciclista à morte, no dia 17 de março de 2012, como informou Ancelmo Gois em sua coluna no GLOBO. O acidente ocorreu na Rodovia Washington Luís, na altura de Xerém, município de Duque de Caxias. Thor foi indiciado por homicídio culposo (sem intenção de matar) após o atropelamento”

    JUSTIÇA NO BRASIL SÓ CONDENA POBRE! A MAIORIA DOS JUIZES SÃO UM BANDO DE FILHINHOS DE PAPAI!

Deixe uma resposta


6 + um =

Ao enviar suas informações de registro, você indica que concorda com os Termos do serviço e leu e entendeu a Política de Privacidade do site do Correio de Uberlândia. Só serão liberados comentários cujos autores estejam identificados por nome e sobrenomes e que não contenham expressões chulas e/ou palavras de baixo calão.

Em função do período de campanha eleitoral e em atenção à legislação vigente, o CORREIO de Uberlândia se reserva o direito de não publicar comentários com viés político/eleitoral direta ou indiretamente direcionados aos partidos, agentes políticos, candidatos ou não, tanto na versão impressa quanto na internet.