Assine o CORREIO
menu
publicidade
publicidade

Cidade e Região

Alunos da UFU fazem manifestação na Reitoria

O movimento pedia que a votação do projeto que privatiza os hospitais universitários fosse adiada

Mais de 100 estudantes de diversos cursos da Universidade Federal de Uberlândia (UFU) se reuniram no início da tarde desta sexta-feira (30), para uma manifestação, em frente ao prédio da Reitoria no Campus Santa Mônica, zona leste de Uberlândia. O objetivo dos alunos foi impedir a votação do projeto de implantação da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (EBSERH) no Hospital de Clínicas da Universidade.

De acordo com a aluna do nono período do curso de medicina, Nathália Neiva dos Santos, representante da comissão de imprensa da manifestação, o movimento pedia que a votação do projeto que privatiza os hospitais universitários fosse adiada para que a reitoria tivesse tempo de discutir o assunto com alunos e funcionários do hospital.

Segundo o vice-reitor da universidade, Darizon Alves de Andrade, a reunião do Conselho Superior Universitário (Consul) discutiu o projeto nesta sexta-feira (30) e decidiu que a pauta sobre esta questão deveria ser adiada. “Deverá ser feita antes da votação uma audiência pública, envolvendo autoridades da saúde, para esclarecer o assunto à comunidade interessada”, afirmou.

Ainda de acordo com Darizon, a implementação da Ebserh, não privatiza, mas regulariza a situação de servidores de fundações que trabalhavam de forma irregular segundo o Tribunal de Contas da União.

Comentários

11 respostas para “Alunos da UFU fazem manifestação na Reitoria”

  1. Absurdo isso! Antes de fazerem essa manifestação, deveriam procurar saber o porque dessa empresa e seus fins. Só na ufu existe mais de 1600 funcionários que são mantidos pelas fundações, essas fundaçoes foram criadas para incentivo a estudo e pesquisa, mas como o governo nao repõe a mão de obra que aposenta ou por outros motivos, a única formar de marter o serviço é contratando por estas fundaçoes com salários bem abaixo do mercado e de forma frágil. Sem contar a corrupção e super faturamento que acontece nessas fundações. Essa empresa veio pra regularizar a situação de 1600 funcionários aqui em Udia e 26000 em nivel nacional. Quem ganha é a população, com atendimento de qualidade e de forma transparente. Basta ao cabideiro que é o funcionalismo publico, onde a maioria só quer garantir os seu no final do mês e que se dane o proximo.

  2. Cass, como disse bem, as fundações foram criadas para apoiar estudo e pesquisa nas universidades. Na UFU elas fazem isso muito bem, apesar de suas dificuldades. Quanto a corrupção e super faturamento que mencionou, é de total desconhecimento de sua parte. Todas são auditadas, credencias e bem geridas. Posso garantir.

  3. Parece que o cass pertence aos que vão lucrar com uma privatização disfarçada e ao contrário do que disse ficará mais dificil fiscalizar e o dinheiro público irá para lugares indevidos da mesma forma. Como esta empresa irá melhorar a situação dos trabalhadores? A prestação de serviços melhorará? Verdade é que não há transparencia alguma na UFU e menos ainda no Hc.

  4. O dilema é que se privatizar, a mão de obra será ainda mais barata, super explorada e isso contribui para agravar a concentração de renda. Não é bom para os brasileiros, não é bom para o Município. Servidores com salários justos gastam a grana por aqui. Privatizar a renda concentra e o dono dos bois vai dar renda em outras terras. Que economia burra.

  5. Vc estava indo bem no seu comentário, até generalizar o funcionário público a um tipo preguiçoso e irresponsável. Calma aí, respeite os que trabalham, eu trabalho!

  6. O “problema”, é q com a entrada desta empresa, em 2 anos, todos que são da fundação (FAEPU), serão teoricamente dispensados, podendo ser admitidos por essa nova empresa somente ingressos por concursos a serem abertos. Assim, sendo, aqueles que estão anos e anos pela FAEPU, estão com os dias contados.
    Na época que implantaram ponto eletrônico, por digital, foi a maior dor de cabeça tbm……..resumindo: eles querem a mamata que sempre tiveram….

  7. OS estudantes de cursos com “bases marxistas” também estavam presentes na manifestação. Não seja pré-conceituoso e raso no comentário. E realmente temos que parabenizar a tod@s que estiveram lá na reitoria em defese da saúde pública e contra a sua privatização.

  8. É necessário que aconteça alguma coisa, que seja a empresa, que seja acabar com estas fundações e preencher as vagas através de concurso público. Não pode é continuar como está, funcionário recebendo x e servidor recebendo xxx para desempenhar o mesmo serviço, e as fundações “impedem” que abre concurso para todos os cargos do HCU.
    Que aconteça alguma coisa, gostaria que tivesse concurso para todas as áreas do HCU, não só para enfermagem.
    Penso que seria melhor que a Ebserh.
    Boa sorte para Nós.

  9. Eu não disse todos, mas lhe garanto que uma boa parte não quer saber de nada. Trabalho na UFU a quase 15 anos e vejo como é tratado e cobrado um funcionario ufu e outro fundação, isso sem contar diferença salarial .Precisamos de uma forma eficiente de trabalho, onde é respeitado a cima de tudo o seu funcionário.

  10. E quem disse que o dinheiro que vai para essas fundaçoes é fiscalizado? Acabamos de ver várias denuncias de corrupção envolvendo hospitais públicos.
    Precisamos de uma forma eficiente e transparente para gerir os HCS, e essa estatal foi criada para isso, é só ler o regimento. Privatização??? Saber se vai funcionar, só Deus sabe?

Deixe uma resposta


9 + = doze

Ao enviar suas informações de registro, você indica que concorda com os Termos do serviço e leu e entendeu a Política de Privacidade do site do Correio de Uberlândia. Só serão liberados comentários cujos autores estejam identificados por nome e sobrenomes e que não contenham expressões chulas e/ou palavras de baixo calão.

Em função do período de campanha eleitoral e em atenção à legislação vigente, o CORREIO de Uberlândia se reserva o direito de não publicar comentários com viés político/eleitoral direta ou indiretamente direcionados aos partidos, agentes políticos, candidatos ou não, tanto na versão impressa quanto na internet.