Assine o CORREIO
menu
publicidade
publicidade

Cidade e Região

Família acusa médico de ter matado dona de casa

A família da dona de casa Nilva da Silva, 43 anos, acusa um médico da Unidade de Atendimento Integrado (UAI) do bairro Pampulha, zona sul de Uberlândia, de ter dado dosagem excessiva de medicação e causado a morte da paciente.

Nilva da Silva deu entrada na unidade, na noite de quinta-feira (8), com falta de ar e começou a passar mal na manhã desta sexta-feira (9) depois de fazer a inalação durante a noite. “A minha irmã estava com ela e disse ao médico que ele só poderia colocar cinco gotas de Berotec (medicação) no soro, porque ela tinha pressão alta”, disse Débora da Silva, filha de Nilva.

Débora disse ainda que a enfermeira se negou a colocar as cinco gotas e informou que seguiria a ordem do médico, que havia receitado oito gotas. “Quando minha mãe começou a passar mal, ela disse que o coração dela ia explodir de tanto que batia forte e, mesmo assim, ninguém parou para atendê-la.” A família recebeu a notícia da morte de Nilva às 13h30 de hoje.

O coordenador técnico da UAI Pampulha, João Thomaz da Costa, disse que foi instaurada sindicância interna para avaliar a situação. “Solicitamos o Serviço de Verificação de Óbito para saber a causa morte, mas não acredito que três gotas a mais a tenha causado. Vamos investigar o que aconteceu”, disse. A Polícia Militar esteve no local e registrou o boletim de ocorrência.

Comentários

11 respostas para “Família acusa médico de ter matado dona de casa”

  1. Independete se esse médico tem culpa ou não…já ouvi histórias de tipo muitas vezes…médicos despreparados…principalmente esse “novos” basta perceber as festas que fazem durante o curso…só bebedeiras, prostituição, então…sáo os “médicos” de hoje…

  2. Não consigo olhar com traquilidade banalização dos erros médicos!
    Pôxa vida! Se o indvíduo estudou para exercer essa profissão, deveria se formar com habilidade para praticar o quê aprendeu na escola de medicina! Ou serão os cursos de medicina que não conseguem mais qualificar seus alunos?
    Prova de avaliação do cursos de medicina, a respeitadíssima, OAB faz, porque não os outros cursos?
    Não sei, o quê sei é que não dá mais para ficar usando pessoas como cobaias.
    Há que se apurar com severidade o caso.

  3. O PROBLEMA NAO SAO 03 GOTAS A MAIS,E SIM A FALTA DE DESCASO E DESPREPARO DA SAUDE PUBLICA ………………………..E ENQUANTO ISSO NOSSOS VEREADORES RECEBERAO MAIS DE 16,0000,OO POR MES!!!!!!!

  4. Uso Berotec gotas ha mais de 10 anos , tenho 46 anos sei que causa taquicardia mas se o paciente nao informar ao medico que `e ipertenso nao ha como prever e de mais a mais de 8 para cinco gotas ha pouca diferenca . `e lamentavel pois eu sei o que `e chegar numa UAI com falta de ar , vc nao consegue se quer dizer seu nome .

  5. Foi o que um amigo meu que trabalha em hospital público SEMPRE diz: A CADA 10 médicos, 9 ACHAM que são DEUS e 1 TEM CERTEZA!
    Junta médico + enfermeira e prende todo mundo… cambada, acham que porque trabalham na rede pública de saúde tem o direito de passar por cima de pessoas humildes! Se a filha de sra. falou certamente ela sabia o que está dizendo!

  6. Infelizmente o despreparo de nossos médicos têm sido cada vez mais notório, a questão é que os direitos humanos não têm sido exercido também. E nossa parcela de culpa nisso é grande, pois ficaremos de braços cruzados, votaremos sem questionar na proxima eleição e não teremos melhorias. A frieza com que os profissionais da saúde têm desempenhado suas funções é lastimavel. Precisam de tratamento psiquiatrico, médicos, enfermeiros (açougueiros), assistentes e cia. Meus pesames a esta familia e tantas outras. “Brasil, mostra tua cara…”

  7. Isso é que dá mexer com UAI.
    Se tivesse tentado curar o broquite em casa não teria morrido.
    Para me levar para UAI só se for desacordado.
    Já engessaram errado meu pé na UAI Planalto. O médico de outro Hospital disse que aquilo seria serviço do ortopedista do Curupira.
    Nem Furadan mata igual a essas UAIs.

Deixe uma resposta


− quatro = 2

Ao enviar suas informações de registro, você indica que concorda com os Termos do serviço e leu e entendeu a Política de Privacidade do site do Correio de Uberlândia. Só serão liberados comentários cujos autores estejam identificados por nome e sobrenomes e que não contenham expressões chulas e/ou palavras de baixo calão.

Em função do período de campanha eleitoral e em atenção à legislação vigente, o CORREIO de Uberlândia se reserva o direito de não publicar comentários com viés político/eleitoral direta ou indiretamente direcionados aos partidos, agentes políticos, candidatos ou não, tanto na versão impressa quanto na internet.