menu
publicidade
publicidade

Cidade e Região

Frutal tem sete vereadores eleitos presos por suspeita de corrupção

Sete vereadores eleitos de Frutal (MG), na região do Triângulo Mineiro, foram presos por suspeita de corrupção. Seis deles foram pegos durante a Operação Déjà-vu, deflagrada pela Polícia Civil de Minas Gerais na última sexta-feira, 16. Um outro, que estava foragido, se apresentou na tarde de sábado (17). Eles são investigados por comprar apoio na eleição da Mesa Diretora que irá comandar o Legislativo municipal no ano que vem

Dos presos na operação, três já são vereadores e foram reeleitos: Ricardo Mazzarope (PT do B), Joab do Baratão (PSC) e Romero Silva de Menezes (PRTB). Os demais, Nene Finuh (PT do B), Esio dos Santos (PR), Douglas Doyal (PSOL) e Edison Yamagami (PSOL), foram eleitos em outubro.

De acordo com as investigações, os suspeitos combinaram e já começavam a pagar propinas para garantir apoio político na disputa pela Mesa Diretora da Câmara Municipal do biênio 2017/2018. Segundo a polícia, o chamado “mensalinho de Frutal” já aconteceu em legislaturas anteriores e estava se repetindo. Os envolvidos responderão a crimes como associação criminosa, corrupção ativa e passiva. A Justiça definiu também pelo afastamento dos suspeitos dos cargos.

A cidade tem no total 15 vereadores e a Câmara Municipal ainda não se posicionou sobre as prisões. A reportagem conseguiu contato com os advogados de três presos. Segundo eles, a defesa vai ingressar com recurso pedindo que seus clientes respondam em liberdade. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo

Comentários

One Response to “Frutal tem sete vereadores eleitos presos por suspeita de corrupção”

  1. Essa cidade é um berçário de corruptos. Os que não cabem ai eles exportam para Uberlândia ou Belo Horizonte. Sem citar nomes temos um Vereador, um Deputado Estadual e um outro que vira e mexe aparece por aqui. O papai do ultimo está em cana. Povinho.

Deixe uma resposta

Ao enviar suas informações de registro, você indica que concorda com os Termos do serviço e leu e entendeu a Política de Privacidade do site do Correio de Uberlândia. Só serão liberados comentários cujos autores estejam identificados por nome e sobrenomes e que não contenham expressões chulas e/ou palavras de baixo calão.

Em função do período de campanha eleitoral e em atenção à legislação vigente, o CORREIO de Uberlândia se reserva o direito de não publicar comentários com viés político/eleitoral direta ou indiretamente direcionados aos partidos, agentes políticos, candidatos ou não, tanto na versão impressa quanto na internet.