Cidade e Região

Notícias de interesse geral de Uberlândia e região.

8/02/2013 14:00

Mãe encontra filha desaparecida e Polícia Civil investiga o caso

Especial para o CORREIO

A criança de 11 anos, que estava desaparecida desde a tarde de sábado (2) foi encontrada na avenida Fernando Vilela, setor central de Uberlândia, na quinta-feira (7) por volta das 17h. Segundo informações da Polícia Militar, a criança, que é morada de Araxá e que faz tratamento contra esquizofrenia em Uberlândia, estava sentada na calçada, com os cabelos pintados de vermelho e roupas diferentes das que usava naquele dia.

A menina estava próxima a uma casa conhecida pela Polícia Civil como ponto de prostituição. Após a abordagem a menina foi encaminhada para fazer exames de corpo de delito, que preliminarmente não aponta que houve conjunção carnal nas ultimas horas.

Ela foi encontrada pela mãe, Márcia Aparecida Silva, que passava pelo local em busca de informações da criança. Sobre como ela teria vivido durante esses cinco dias, a mãe disse aos policiais que ela estava com o cartão de crédito dela e teria consumido sanduiches e energéticos. Já sobre ter tingido o cabelo, Márcia Silva afirmou ao CORREIO de Uberlândia que foi uma “loucura de carnaval”.

Mesmo com a aparição da criança, a Polícia Civil irá investigar as circunstâncias do sumiço e também do aparecimento. A informação foi confirmada pela assessoria de comunicação da Polícia Civil na manhã de ontem. Os policiais devem reconstituir o fato desde o momento em que a mãe disse ter perdido a filha até o momento em que ela foi encontrada.

A PC irá apurar o caso porque durante a abordagem da PM, Márcia Silva disse aos policiais que essa foi a primeira vez que a menina  havia desaparecido, mas na manhã de ontem a Polícia Civil localizou outros três boletins de ocorrência registrados no ano passado.

O primeiro sumiço foi no dia 22 de junho de 2012 em Araxá. O segundo em agosto em Uberlândia e o terceiro em novembro do ano passado novamente em Araxá, naquela vez a menina foi encontrada dois dias depois no terminal rodoviário daquela cidade.

Sobre os registros de desaparecimento anteriores, Márcia Silva disse que nenhum deles tinha sido tão longo. Perguntada se a criança tinha problemas em casa, a mulher disse que não. “Não temos nenhum problema em casa. Somos evangélicos e não temos nada disso”.

Esquizofrenia

A mãe Márcia Aparecida Silva alegou ao CORREIO, quando pediu ajuda para procurar a criança, que a criança sofria de esquizofrenia e tomava medicamentos de uso controlado. As duas moram em Araxá e alugam um cômodo em Uberlândia para que a menina faça tratamento na Unidade de Atendimento Integrado do bairro Martins, setor central da cidade.

 

 

 

Comentários (14)

Ao enviar suas informações de registro, você indica que concorda com os Termos do serviço e leu e entendeu a Política de Privacidade do site do Correio de Uberlândia. Só serão liberados comentários cujos autores estejam identificados por nome e sobrenomes e que não contenham expressões chulas e/ou palavras de baixo calão.

 

  1. paulo elias da silva disse:08/02/13 14:26

    Que história estranha.

    Responder
  2. LUCIANO COUTT disse:08/02/13 14:40

    Como assim??…a menina some com cartão de crédito …aparece com cabelos tingidos de vermelho como desculpa de loucura de carnaval…sentada perto de um ponto de prostituiçao…e na mais incrível visão ultra espacial da mãe na sua saga de uma cidade de mais de 500 mil habitantes encontra a garota como uma perspicaz observadora de “Onde está o Wally? ” !!

    Responder
  3. LUCIANO COUTT disse:08/02/13 14:42

    Como assim??…a menina some com cartão de crédito …aparece com cabelos tingidos de vermelho como desculpa de loucura de carnaval…sentada perto de um ponto de prostituiçao…e na mais incrível visão ultra espacial da mãe na sua saga de uma cidade de mais de 500 mil habitantes encontra a garota como uma perspicaz observadora de “Onde está o Wally? ” !!…

    Responder
  4. marcos antonio disse:08/02/13 14:56

    A cada dia que passa, aparecem mais evidências de que essa estória esta muito mal contada…

    Responder
  5. bandida disse:08/02/13 15:00

    Bem que achei essa história meio esquisita……

    Responder
  6. Sabrina disse:08/02/13 16:13

    Que historia estranha …

    Responder
  7. Dexter disse:08/02/13 16:24

    Que historia mal contada.

    Responder
  8. wes disse:08/02/13 18:34

    Está claro que a mãe agencia a filha..

    Responder
  9. didio disse:08/02/13 20:09

    tem que envestigar a mãe dessa menina ela está muito estranha vi a entrevista dela no balanço geral.acho que é ela que esta querendo aparecer e viu que o caso ficou sério resolveu aparecer com a menina.muito mal contada essa história.ABRE O OLHO COM ESSA MULHER….

    Responder
  10. kaká disse:08/02/13 21:01

    MÃE: “não temos problemas em casa, somos evangélicas”. Como (quase) todo evangélico essa senhora é hipócrita, mentirosa e falsa moralista. Falei!

    Responder
    • Lelis disse:09/02/13 15:39

      Sua opinião sobre os evangélicos está equivocada, primeiramente tente conhecer pessoas evangélicas de verdade que procuram fazer o bem a todos e depois dê sua opinião baseado no seu conhecimento e não no que diz as pessoas. Não estou defendendo ela nem mesmo “os evangélicos”,mas, a mim mesmo que sofro para tentar ser uma pessoa melhor para os outros e só tenho isso de retribuição.

      Responder
  11. Mauricio disse:08/02/13 22:26

    Quem frequenta aquelas bandas sabe que a menina ‘trabalha’ por lá faz bastante tempo e é bastante conhecida.

    E o mais triste é que não é a mais nova na ‘profissão’.

    Responder
  12. tretão disse:08/02/13 22:42

    Se esta menina estava usando o cartão de crédito ficaria fácil de encontra-la, bastava rastrear os locais onde o cartão foi usado. Isso tá cheirando muito ruim hein…………………

    Responder
  13. ana lucia disse:09/02/13 19:05

    alguns leitores vivem no mundo da lua e vivem apenas vendo TV. Ora, rastrear cartão de crédito no Brasil é muito difícil, pois não temos a tecnologia do CSI e ainda tem que haver um processo e um crime. Não tem provado que há aliciamento. É preciso apurar

    Responder