Assine o CORREIO
menu
publicidade
publicidade

Cidade e Região

Mercado de Uberlândia oferece mais de 2 mil vagas de emprego

Número de vagas de trabalho é maior que a procura em Uberlândia no início de 2013

Desde o primeiro dia útil deste ano, o Centro Estadual de Políticas de Emprego e Renda (Ceper), antigo Sine, recebeu o cadastro de mais de 2,3 mil vagas de emprego em Uberlândia.

O setor que mais oferece trabalho ainda é o de serviços, seguido da construção civil. Os dois são os responsáveis por cerca de 80% das vagas. A coordenadora do Ceper, Maria de Lourdes Rosa, disse que deste total, 20% das vagas oferecidas são preenchidas.

Um dos fatores que explicam a baixa empregabilidade, segundo a especialista em Recursos Humanos Marta Ajej, são os salários oferecidos pelas empresas. “Uberlândia tem os salários abaixo da média se comparado com outras cidades da região Sudeste do país”.

Nos dois setores – serviços e construção civil -, os salários divulgados pelo Ceper, variam de R$ 700 a R$ 1,8 mil. Para Marta Ajej, nestas áreas em que a exigência de escolaridade é menor, as empresas oferecem remuneração inferior. “As pessoas aceitam trabalhar com esse salário em primeiro momento. Logo depois passam a procurar outro trabalho que pague um pouco a mais e isso faz com que a rotatividade cresça.”

Foi o que aconteceu com o cozinheiro Valderson Nogueira. Ele saiu da empresa onde trabalhou por oito anos por causa do salário que recebia: R$ 900. “Estou em busca de algo que pague melhor e que tenha benefícios como convênio médico também. Não está difícil de encontrar trabalho, mas é complicado encontrar um salário melhor.”

No setor da construção civil, de acordo com o presidente do Sindicato dos Trabalhadores da Construção Civil, Efthymios Panayotes, o piso salarial para servente de pedreiro é de R$ 710 e para pedreiro é de R$ 1.020. Devido à demanda crescente de mão de obra, algumas empresas oferecem benefícios como comissão pela produtividade. “Tem funcionário da área de acabamento e terminal de obra que chega a tirar de R$ 5 mil a R$ 6 mil”.

Experiência

A coordenadora do Ceper também aponta a falta de qualificação para o não preenchimento do total das vagas. Segundo Maria de Lourdes, a maioria das pessoas tem formação, mas não tem experiência. “Nas áreas técnicas como, por exemplo, a enfermagem, a dificuldade é encontrar quem tenha a prática”.

Procura por emprego

O Centro Estadual de Políticas de Emprego e Renda (Ceper) distribui diariamente 320 senhas, sendo 70 para seguro-desemprego e o restante para o cadastro dos interessados nas vagas disponíveis. Nesta terça-feira (8), até às 10h, as senhas estavam esgotadas. A situação foi a mesma, segundo a coordenadora Maria de Lourdes Rosa, na segunda-feira (7). “A procura é alta”.

A expectativa, segundo ela, é que o índice de contratação seja maior que janeiro do ano passado, quando 1.427 pessoas foram empregadas. “Essa perspectiva se dá com essa quantidade alta de vagas que recebemos nesta primeira quinzena de janeiro.”

O pedreiro Maxwel Martins, 29 anos, pretende ser um deles. Martins conta que trabalha como autônomo desde os 21 anos, mas que pretende conseguir um trabalho fixo a partir deste ano. “Muitas vezes falta trabalho e fico desesperado. Agora pretendo ter algo fixo, com que posso contar”.

Comentários

24 respostas para “Mercado de Uberlândia oferece mais de 2 mil vagas de emprego”

  1. Uberlândia, paga muito mal seus funcionários. Por isso que os atendimentos enfim a pretação de serviço aqui é tão ruim porque os funcionário trabalham desmotivados.

  2. Pois no mês passado havia uma vaga para psicólogo com experiência em recrutamento e seleção para trabalhar das 08 as 18 e salário de R$900,00. É uma absurdo…. a pessoa estuda, se forma, gasta um dinheirão com cursos e etc e tal, para receber $ 900,00 isso bruto, depois dos descontos deve dar uns $ 750,00 …. Trágico….

  3. Tem muita vaga, porque o pessoal não quer trabalhar….

    Sou empresária e há 2 meses estou a procura de uma secretária, pago R$ 950,00 e não acho ninguém qualificado para trabalhar.
    Nós não pagamos mal, o problema é que querem trabalhar pouco e ganhar muito.

  4. No meu ponto de vista as pessoas acabam não sendo qualificadas para o mercado devido ao alto índice de exigências das empresas. Uma pessoa que acabou de se formar em Administração de Empresas não pode nem assumir um cargo de Auxiliar Administrativo (aconteceu comigo), porque não tinha experiência nessa área? Onde é que estão servindo os nossos estudos então?

  5. Só tem 3 tipos de vagas, auxiliar de carga/descarga, atendeste call center, caixa do bretas.

    Salários de fome, só tem empresários judeus capitalistas, nem para investir no futebol eles servem.

  6. Esta na hora dos empresarios perceber que o custo de vida em Uberlândia esta ficando alto, visto que a medida que a cidade cresce o custo de vida fica alto. e com os salarios oferecido as pessoas não consegue ter bem estar para viver…e tem muita gente se qualificando para ganhar um salário mais digno…Acorda empresários.!!!

  7. Realidade que já esta clara faz alguns anos. Acho demorou muito para sair uma reportagem que mostre essa realidade. Sempre vejo reportagem falando que o trabalhador não tem qualificação.

  8. Realmente se paga muito mal nessa cidade…acho que é por isso o poder de consumo também é baixo se compararmos com outras cidades e porte parecido e com poder aquisitivo maior da população…

  9. Finalmente alguém fala sobre isso…Dizem que Uberlândia é uma cidade próspera, só se for para poucos, pois a maioria sobrevive com salários que são uma vergonha, e falo isso por experiência própria.

  10. Eu era um dos que reclamava a respeito do “atendimento” em Uberlandia. Depois passei a entender as causas e agora simplesmente boicoto as empresas que não oferecem um bom serviço. Há inúmeras pesquisas que relacionam o respeito ao funcionário como essencial para que esses respeitem os clientes. Acredito que poucos empresários tenham conhecimento disso.

  11. Enquanto as empresas adotarem o sistema de terceirizar o RH, tudo sera dificultado para o trabalhador, estas empresas de RH não tem interesse em que o trabalhador seja contratado, as vezes o empregador pede um tipo de funcionario para uma cargo simples, complicam-se tanto na entrevista que nenhum candidato serve, empresarios vamos voltar a contratar diretos nas empresas eu faço isto tenho 43 funcionarios. Fiz uma experiencia em uma empresa de RH e sei que estou falando.

  12. Uberlândia há dez anos oferecia um salário convidativo, hj o fato do crescimento populacional consegue manipular o mercado oferecendo um salário fora do parâmetro da capital. Isto eh complicado, pois um exemplo, sou de Pirapora/MG aux. administrativo a 14 anos e recebo um salário que oscila entre 1.100,00 a 1.200,00 reais , enquanto Uberlândia oferece 850,00.

  13. Vc Vive com 950,00 reais tento que sustentar família e filho????Não to “dizendo” q o seu comentário e 100% errado… só que Uberlândia paga muito mal…

Deixe uma resposta


+ quatro = 7

Ao enviar suas informações de registro, você indica que concorda com os Termos do serviço e leu e entendeu a Política de Privacidade do site do Correio de Uberlândia. Só serão liberados comentários cujos autores estejam identificados por nome e sobrenomes e que não contenham expressões chulas e/ou palavras de baixo calão.

Em função do período de campanha eleitoral e em atenção à legislação vigente, o CORREIO de Uberlândia se reserva o direito de não publicar comentários com viés político/eleitoral direta ou indiretamente direcionados aos partidos, agentes políticos, candidatos ou não, tanto na versão impressa quanto na internet.