Assine o CORREIO
menu
publicidade
publicidade

Cidade e Região

Multinacional vai investir R$ 1 bi para instalar usina

Alexandre Bercuó e Nárcio Rodrigues participaram do anúncio

O município de Tupaciguara, a cerca de 70 quilômetros de Uberlândia, vai receber um investimento de R$ 1,14 bilhão para a instalação de uma nova usina de açúcar e álcool. O projeto foi apresentado, ontem, à comunidade local, após a consolidação que aconteceu em uma reunião no gabinete do governador de Minas, Antonio Anastasia, no dia 25, que contou com a participação de políticos da região, como o deputado Nárcio Rodrigues.

A nova usina deve gerar 2,4 mil empregos diretos e cerca de 6 mil indiretos e pertence à British Petroleum no Brasil (BP Brasil). A expectativa é de que a usina esteja em pleno funcionamento em 2015.

Essa será a primeira usina de açúcar e álcool da BP Brasil a ser construída no país. A multinacional escolheu Tupaciguara como local estratégico, já que adquiriu as usinas do grupo Companhia Nacional de Açúcar e Álcool (CNAA) em Ituiutaba, Campina Verde e Itumbiara (GO). A previsão é moer 5 milhões de toneladas de cana por ano na usina para a produção de açúcar, etanol e energia elétrica a partir da queima do bagaço da cana.

De acordo com Maurício Cecílio, diretor do Instituto de Desenvolvimento Integrado de Minas Gerais (Indi-MG), a BP Brasil investiu R$ 2 bilhões em pesquisas de sustentabilidade pelo mundo. “Foi feito um estudo para a chegada deles ao município. Eles vão minimizar o impacto social e ambiental na região”, disse.

Segundo o prefeito de Tupaciguara, Alexandre Bercuó, a nova usina deve dobrar o orçamento do município a partir de 2017. Hoje, o orçamento municipal é de cerca de R$ 35 milhões por ano. “A arrecadação começa anos depois do início das atividades e vai ser muito importante para nós. Além disso, há geração de emprego e renda”, disse.

Empreendimento marca retomada

Em reportagem publicada no domingo (21), o CORREIO de Uberlândia noticiou que não começou a moagem em nenhuma das três usinas de açúcar e álcool em construção em Uberlândia e que fazem parte dos 40 projetos anunciados, a partir de 2003, em Minas. No Estado, 17, ou seja, menos da metade dos protocolos de intenção, também não saíram do papel.

De acordo com Maurício Cecílio, diretor do Indi-MG, “o anúncio da implantação da usina da British Petroleum no Brasil (BP Brasil) em Tupaciguara mostra que o governo está revisando os compromissos assumidos por empresas que formalizaram intenções com o Estado e também negociando para trazer de novas empresas”.

Nos últimos oito anos, foram implantadas 23 plantas industriais desse tipo no Estado, das quais nove foram no Triângulo Mineiro, que concentra 70% da produção estadual de álcool e açúcar.

Preço pode cair com nova unidade

Já não é vantajoso abastecer com etanol nos últimos 11 meses em Uberlândia. O combustível derivado da cana-de-açúcar oscilou entre R$ 1,50 e R$ 2,54 por litro, variação de 69,3%, de acordo com a Agência Nacional de Petróleo (ANP).

A baixa oferta do setor é um dos principais motivos, por isso a abertura de uma nova usina no Triângulo Mineiro deixa otimistas os donos de postos de combustíveis, mesmo que seja a longo prazo. “Com a oferta maior, o preço do frete diminui e se torna mais competitivo. É bom para nós, para os consumidores e para quem produz”, disse Jairo Barbosa, diretor da Minaspetro.

Comentários

11 respostas para “Multinacional vai investir R$ 1 bi para instalar usina”

  1. O problema não é só a baixa oferta e sim os impostos altissímos que o governo de Minas cobra… o dobro de São Paulo… vai sobrar alcool no futuro, porém continuará sendo caro.

  2. Pena que a natureza tomará mais uma punhalada.
    É mais um crime ambiental tolerado por nós passivamente e nao estaremos aquí para sermos cobrados pelos nossos descendentes.

  3. Concordo em tudo que disse.É por isso q tem de se lutar pela emancipação do Estado do Triangulo, até porque tudo que será produzido e convertido em renda será investido aqui na região. Temos de iniciar um movimento já!!!

  4. a populaçao de tupaciguara pode arrumar outro lugar pra morar, pois alem do clima que se tornará horrivel, a qualidade de vida vai desabar, pois vem de tudo pra tabalhar na usina, gente boa e gente ruim, alem de marginais de varias localidades do brasil.Nao acreditam, visitem igarapava, delta e santa juliana, de paraiso, viraram um inferno

  5. Qual cargo você vai se candidatar? Governador, Senador? Conversa. O único estado brasileiro é o Distrito federal. O resto da federação é um misto de estado e província! A união fica com 70% do PIB.

  6. Meu Deus… Nosso Chefe do Executivo como não é filho de Tupaciguara “claro não se preocupa” com as pessoas e sim com o ganho… Esta utilizando da metodologia do desenvonvimento desordenado a qualquer custo. Só pensa em se tornar Deputado dobrando os orçamentos… Mas os filhos da terra da Mãe de Deus? Alguém ou algum político perguntou se é bom para o Município? Quanto vamos pagar ou como seremos cobrados, vida social, nossa cultura, nossa identidade (canavieiros ou trabalhadores nos canaviais de alta tecnologia? Quanto custa perder o respeito pela nossa vida pelo nossa terra? Nosso Município não comporta mais uma usina…

  7. José,eu concordo com vc em quase tudo,mas se o Brasil tem essa imensidão de terras e se o etanol é uma das soluções de energia pro transporte,como fazemos com a economia que a todo momento busca soluçoes alternativas????Este é o preço do progresso!!!!!!!!Aí sim,cabe aos homens criar soluções prá que o planeta não sofra mais ainda na sua constante destruição.

  8. Evidentemente, não podemos esperar que um empreendimento dessa proporção possa trazer um bom resultado sem que antes haja um criterioso estudo e um belo projeto, mas é uma pena que a nossa “realidade” seja outra; infelizmente os iteresses políticos
    acabam “abortando”dia após dia a possibilidade de não precisar ver para crer.

Deixe uma resposta


nove + 1 =

Ao enviar suas informações de registro, você indica que concorda com os Termos do serviço e leu e entendeu a Política de Privacidade do site do Correio de Uberlândia. Só serão liberados comentários cujos autores estejam identificados por nome e sobrenomes e que não contenham expressões chulas e/ou palavras de baixo calão.

Em função do período de campanha eleitoral e em atenção à legislação vigente, o CORREIO de Uberlândia se reserva o direito de não publicar comentários com viés político/eleitoral direta ou indiretamente direcionados aos partidos, agentes políticos, candidatos ou não, tanto na versão impressa quanto na internet.