Assine o CORREIO
menu
publicidade
publicidade

Cidade e Região

Natal é comemorado em diferentes culturas

Pratos típicos da culinária nipônica compõem a ceia natalina de descendentes de japoneses que moram em Uberlândia

Comemorado hoje, o Natal é uma festa de gostos, cores e cheiros próprios que apelam aos sentidos e à emoção. Difícil não pensar na comemoração sem se recordar da decoração luminosa e de cores vibrantes, das canções, da mesa farta de comida, dos presentes e da Missa do Galo. Porém, o que é marcante na tradição brasileira, herdada em grande parte dos costumes europeus, encontra outros sentidos e variações em diferentes culturas, o que não impede que a data seja lembrada com as características próprias de cada lugar.

Remodelada pela igreja católica na Idade Média, a data deixou de ser uma adoração a uma divindade a quem era atribuída a volta do Sol após o inverno no Hemisfério Norte para celebrar o nascimento de Jesus Cristo e motivar sentimentos fraternos e solidários ao incorporar figuras como a do Papai Noel. Com o passar dos anos, o costume se fortaleceu em diversos países do Ocidente, assumindo características locais. Com a globalização, o Natal chega a ser comemorado mesmo em nações nas quais o cristianismo não é predominante, como Japão e países árabes, com exceção da Arábia Saudita, onde práticas não-islâmicas são punidas.

As variações vão desde a data da comemoração até as preferências gastronômicas. Enquanto para a maioria – como a gastrônoma brasileira Eslei Máscima de Araújo, que trabalha em Uberlândia – a festa acontece na véspera e no feriado do dia 25 de dezembro com a troca de presentes, muita comida e família reunida, no Japão, são dias comuns de trabalho em que somente se destaca a decoração natalina e um bolo temático, que é ofertado às crianças. “A religião predominante no Japão é o budismo, então a comemoração do Natal lá é simbólica, mas aqui festejamos como brasileiros”, disse Elisa Fukada, filha de japoneses que morou no Japão por 11 anos e hoje está em Uberlândia. Já segundo Ana De Marco, filha de espanhóis que também mora em Uberlândia, no país em que ela nasceu é feita uma ceia modesta no dia 25 e a maior movimentação é reservada para o dia 6 de janeiro, quando os Reis Magos são homenageados e, de acordo com ela, na Espanha, as pessoas se reúnem, saem às ruas fantasiadas, há cavalgadas e é feita a troca de presentes. “Acontece à noite e é muito lindo”, afirmou.

Variedade gastronômica faz parte das ceias

Família libanesa Tannous comemora o Natal com roupas e comidas típicas, como quibes, charutos e ariche

O contato de Eslei Máscima de Araújo com diversas culturas, proporcionado pelo fato de ela coordenar a feira gastronômica de Uberlândia, não faz com que ela dispense a comemoração natalina à moda brasileira, enriquecida pelas tradições mineiras, nos moldes da festa que sua mãe fazia no dia 25 de dezembro. “Em novembro, minha mãe já começava a se preocupar com a decoração e as comidas e sempre fazia questão de casa cheia, com os 12 filhos e netos”, disse. Para a ceia natalina, segundo Eslei de Araújo, pernil, castanhas, frutas e frango com farofa são tão indispensáveis como a oração feita às 23h, de mãos unidas.

Já na família libanesa Tannous, a corrente formada pelas pessoas vira dança na ceia. O patriarca Elias Tannous afirmou que trouxe com ele algumas tradições quando se estabeleceu na cidade, há cerca de 50 anos. Católico ortodoxo, ele e seus familiares também celebram o nascimento de Cristo e não abrem mão de muitas comidas típicas como quibes, charutos, ariche (queijo temperado), frutas e castanhas. “É um momento de fartura e reunião familiar. E, ao final, dançamos, como é comum em toda festa libanesa”, disse a filha Marian Tannous.

Em outra família que mora em Uberlândia, mas tem a influência de uma cultura europeia, de acordo com o descendente de italianos e dono de um restaurante de comidas típicas Marcelo Spotto, o encontro natalino é sinônimo de festa, animação e boa comida. Massas como ravioli, nhoque, peixes e a sobremesa tiramisu são as preferências neste período. “Evita-se comer maçã no dia porque está relacionada ao pecado”, afirmou.
E, segundo Elisa Fukada, pratos envolvendo sashimi, oniguiri e legumes picados, acompanhados de molho shoyu, raiz forte e gengibre compõem a ceia japonesa no Natal, com outras opções da culinária brasileira.

Como são as comemorações que têm a influência de outras culturas

Portugal

Crianças deixam um sapato em um lugar escolhido estrategicamente para que o Papai Noel coloque os presentes, que podem ser abertos somente no dia 25 de dezembro. Na ceia, comem o bolo-rei e um pão de frutas que contém um presente dentro e é a grande diversão da data. O prato principal da ceia é o bacalhau, seguido por arroz de polvo. O doce mais tradicional do Natal português é a rabanada.

Feliz Natal em Portugal: Boas Festas!

Estados Unidos

O Natal americano é rico em cor e brilho, e as decorações das lojas e shoppings são conhecidas em todo o mundo. Nas casas, a decoração é feita com lâmpadas coloridas, bonecos de neve, velas vermelhas e guirlandas. As crianças penduram meias perto da lareira para esperar a chegada do Papai Noel. Na véspera de Natal, vizinhos se unem para cantar músicas de Natal, mostrando o espírito de confraternização. Os presentes são abertos na manhã do dia 25 de dezembro. O prato típico é peru recheado acompanhado de frutas tropicais.

Feliz Natal nos EUA: Merry Christmas!

Itália

A entrega dos presentes é feita só no dia 6 de janeiro, Dia de Reis, em lembrança à visita dos Reis Magos ao Menino Jesus. Em todas as igrejas são montados presépios. Na ceia são servidos peixes e massas. As crianças esperam a visita da Befana, que traz presentes para os bons e castigo para os maus meninos.

Feliz Natal na Itália: Buon Natale!

Japão

O Natal não é muito difundido, mas os japoneses abraçaram o ritual ocidental de troca de presentes neste período, costume muito apreciado na cultura japonesa. Os japoneses enfeitam as casas, cantam músicas e servem peru, além de pratos como sashimi, oniguiri e legumes picados. Outro hábito também foi adotado pelos japoneses: como as bonecas sempre foram muito valorizadas em suas tradições, o presépio encantou os japoneses – especialmente as meninas, que gostam de montar os seus próprios presépios.

França

Os franceses cultivam a tradição da reconciliação no Natal, em que as pessoas visitam a casa de um inimigo para lhe pedir perdão. A reconciliação é, então, brindada com vinho. Para a ceia, cada região tem o seu prato tradicional. Para os parisienses, Natal é sinônimo de ostras e foie gras. O doce típico é o buche, feito de marzipã, coberto com chocolate e em forma de tronco de árvore. Nas creches, as crianças representam cenas da vida de Jesus e dos santos.

Feliz Natal na França: Joyeux Noel!

Belém

Na cidade onde Jesus nasceu, o Natal é comemorado com peregrinos e tribos árabes da região, que se ajoelham na cripta da capela dos franciscanos para adorar o berço de Jesus, que é conservado na igreja e montado apenas na noite de 24 para 25 de dezembro. Depois que termina a missa, os franciscanos oferecem uma ceia aos peregrinos, servida apenas com pão preto acompanhado de vinho.

Países Árabes

O Natal não tem raízes profundas em países em que quase 94% da população é muçulmana. Mas há também os cristãos coptas, uma das mais tradicionais denominações do cristianismo, que comemoram a data com um simbolismo diferente do ocidental e seguindo o antigo calendário ortodoxo, que coloca a festa no dia 7 de janeiro. Os muçulmanos aceitam a figura de Jesus Cristo como um dos cinco profetas que vieram trazer a palavra de Deus ao homem.

China

As casas são iluminadas com lanternas, correntes e flores de papel, além de árvores de Natal. Como nos Estados Unidos, as crianças chinesas também penduram meias à espera de presentes. O Papai Noel é chamado de Dun Lhe dao Ren, que significa Velho Natal. Mas como a maioria dos chineses não é cristã, a maior festa ainda é o Ano-Novo Chinês, comemorado só no fim de janeiro.

Feliz Natal na China: Sheng Tan Kuai Loh (mandarín), Gun Tso Sun Tan’Gung Haw Sun (cantonés)

Índia – A árvore de Natal indiana não é o pinheiro, mas plantas nativas do país: mangueiras e bananeiras são enfeitadas. As casas são decoradas com folhas de mangueira e lâmpadas de argila acesas com óleo também são usadas.
Feliz Natal na Índia: Shub Naya Baras!

Suécia

As festas começam no dia 6 de dezembro, dia de São Nicolau. Nesta data, as crianças escrevem suas cartas com pedidos que São Nicolau troca por um saquinho de balas ou nozes. Tradicionalmente, na noite de Natal, a filha mais velha veste-se de branco, com uma grinalda de folhas verdes com sete velas acesas na cabeça e serve café com bolinhos para todas as pessoas de sua família.
Feliz Natal na Suécia: God Jul!

Polônia

Na ceia não se come carne vermelha, mas sim peixes, acompanhados de vinho branco, sopa de cogumelo, pão, doces de mel e torta de sementes de papoula. Depois que a família senta-se à mesa, somente a dona de casa se levanta para servir as iguarias. À meia-noite, os poloneses assistem à Missa do Galo. No dia 25, a festa começa no café da manhã, quando pode ser servido presunto e carnes à vontade. Este desjejum é a refeição mais festiva do dia. Já os presentes são trocados em seis de dezembro, dia de São Nicolau.
Feliz Natal na Polônia: Boze Narodzenie

México

Além da troca de presentes, a população realiza procissões para relembrar os difíceis acontecimentos que antecederam o nascimento de Jesus. Como a ida da sagrada família de Nazaré para Belém levou nove dias, as procissões começam nove dias antes do Natal.
Feliz Natal no México: Feliz Navidad

Comentários

5 respostas para “Natal é comemorado em diferentes culturas”

Deixe uma resposta


sete − 2 =

Ao enviar suas informações de registro, você indica que concorda com os Termos do serviço e leu e entendeu a Política de Privacidade do site do Correio de Uberlândia. Só serão liberados comentários cujos autores estejam identificados por nome e sobrenomes e que não contenham expressões chulas e/ou palavras de baixo calão.

Em função do período de campanha eleitoral e em atenção à legislação vigente, o CORREIO de Uberlândia se reserva o direito de não publicar comentários com viés político/eleitoral direta ou indiretamente direcionados aos partidos, agentes políticos, candidatos ou não, tanto na versão impressa quanto na internet.