menu
publicidade
publicidade

Cidade e Região

Novo reitor quer compensação pelo Glória e PM fora dos campi

O novo reitor da UFU, Valder Steffen Júnior, disse que pretende ampliar a segurança da instituição em parceria com Polícia Militar (PM), mas que o patrulhamento da corporação seja apenas no entorno dos campi. Ele ainda afirmou que espera que a área invadida do campus Glória seja recompensada. Ontem, foi publicada no Diário Oficial da União (DOU) a nomeação de Steffen ao cargo de reitor.

Ele admite que a desocupação da área de quase 66 hectares do Glória, ao lado da BR-050, no setor sul da cidade, é difícil, mas que a UFU não pode abrir mão dela sem uma contrapartida. Ele cita uma série de agentes que precisam trabalhar em conjunto para que a situação seja resolvida. “Consideramos aquela área extremamente importante. Precisamos de uma compensação compatível. Uma área alternativa e de relevância para a universidade”, afirmou. O reitor disse ainda que existiam projetos para o local, que está invadido desde janeiro de 2012, e que eles incluíam a população dos bairros ao redor.

Valder Steffen afirmou que pretende captar recursos extras para projetos de pesquisa (Foto: Celso ribeiro)

Valder Steffen afirmou que pretende captar recursos extras para projetos de pesquisa (Foto: Celso ribeiro)

A segurança também foi apontada por Steffen como ponto sensível da universidade e que a parceria com a PM é bem-vinda. O novo reitor disse esperar conversar com o comando da corporação logo nos primeiros dias, contudo, a ideia é não trabalhar com o patrulhamento ostensivo dentro dos campi, tanto no campus Santa Mônica, quanto no Umuarama, ambos na zona leste de Uberlândia. “Temos anunciado uma parceria com a PM. Incialmente, intencionamos ter um sistema de câmera, ter também a segurança orgânica da universidade, a segurança terceirizada e a polícia no entorno”, disse.

HC-UFU

A ampliação do Hospital de Clínicas da UFU, iniciada em maio de 2012, é outra preocupação do novo reitor, que espera não só resolver o problema da obra. Steffen lembra que existe a necessidade de colocar aparelhamento na unidade ampliada e contratação de mão de obra. Ele ainda disse que a demanda do HC-UFU precisa ser rediscutida com Municípios, uma vez que o atendimento prioritário é de média e alta complexidade.

Objetivo

De acordo com o novo reitor da UFU, Valder Steffen Júnior, a instituição tem grande potencial de pesquisa e extensão, mas ele não é atingido e mesmo com redução na liberação de recursos do Governo Federal, na ordem de 15% em seus orçamentos, ele pretende potencializar projetos e captar recursos extras. “Sempre acreditamos que bons projetos têm espaço e continuaremos a pleitear recursos. Tenho bons diálogos com agências de fomento, me refiro à CNPq, à Fapemig, e nós queremos ampliar nossos diálogos com os Ministérios da Educação, da Saúde, da Tecnologia e Inovação para ter espaço para acolher nossos projetos”, disse Steffen.

Em Brasília

Na próxima terça-feira (27), Valder Steffen Júnior viaja para Brasília (DF) para tomar posse do cargo de reitor da UFU junto ao Ministério da Educação (MEC). Ontem, a nomeação do antes diretor da Faculdade de Engenharia Mecânica foi publicada no Diário Oficial da União (DOU).

A publicação acontece cerca de três meses após Steffen ser eleito em segundo turno da consulta à comunidade acadêmica, realizada em setembro. Com 55,49% (7.970 votos) dos 14.280 votos válidos, Steffen superou o ex-reitor Arquimedes Diógenes Ciloni, professor da Faculdade de Engenharia Civil, que obteve 44,51% dos votos (6.498 votos). Na sequência, Steffen teve sua escolha confirmada pelo Governo Federal.

  • Integrantes já divulgados da nova gestão

Valder Steffen Júnior – Reitor

Orlando César Mantese – Vice-reitor

Clésio Lourenço Xavier –
Chefe de Gabinete

Elaine Saraiva Calderari –
Pró-reitora de Assistência Estudantil

Márcio Magno Costa – Pró-reitor de Gestão de Pessoas

Hélder Eterno da Silveira – Pró-reitor de Extensão e Cultura

Carlos Henrique de Carvalho – Pró-reitor de Pesquisa e Pós-graduação

Darizon Alves de Andrade – Pró-reitor de Planejamento e Administração

Armindo Quillici Neto – Pró-reitor de Graduação

João Jorge Ribeiro Damasceno – Prefeito Universitário

Comentários

19 Responses to “Novo reitor quer compensação pelo Glória e PM fora dos campi”

    • Comunista? Você disse de propósito ou é desconhecimento mesmo? Se o Valder é comunista o Odelmo é petista e a Ana Paula defende direitos sociais para o povo…kkkkk

  1. Para bom entendedor pingo é letra. O novo reitor já deixou claro seu posicionamento:

    É a favor da invasão da área do glória, o que necessariamente gera um enorme prejuízo à UFU (pois está perdendo a área para os marginais, políticos de esquerda e grileiros) bem como ao município e estado (tendo em vista o furto de energia elétrica é água encanada), consequentemente, prejuízo à toda sociedade.

    Não bastasse, está claro que é contra o patrulhamento da PM nos campi da UFU (como se a PM precisasse de autorização para fazer o policiamento ostensivo), ou seja, indiretamente favorece a prática de diversos delitos, tais como furtos, roubos, estupro, uso e tráfico de drogas (os dois últimos na verdade são praticamente fomentados pela universidade).

    Em resumo: a farra com o dinheiro público continuará a ser “normal” nessa instituição.

    • Você está falando sobre algo que não conhece. Tem pessoas nesse local que realmente necessitam de moradia. Até parece que esse povo “escolheu” morar em um lugar de condições precárias, onde nem mesmo saneamento básico tem. Por favor, respeite essa parcela que tu não conhece.

  2. Nem começou já esta fazendo merda, os Campis são muitos inseguros e vão tirar a policia deles, afff, tem roubo de veículos, de pessoas, estupros, devem que o pessoal da terceirizada que fica lá sem nem um tipo de armamento vão defender todos no braço mesmo.

  3. Área publica é indisponível e inalienável, cavalheiro! Compensação coisa nenhuma!!!! Quer defender vagabundos, ingresse em um partido de esquerda! Começou muito mal!!!! VERGONHA!!!!

  4. Mais um burguês à frente de órgão público. Pra acabar. Até quando? Sr Reitor, não se esqueça de que a Universidade é do povo, não sua e muito menos da burguesia metida a “besta”. Lembre-se que para a nossa gloriosa e bicentenária não existe limite de circunscrição dentro do território das Minas Gerais. Ela é a guardiã da ordem pública nos limites da pátria mineira. Ou a UFU não está em seus limites? Mesmo fora, com a Força Nacional, que, tb, pertence a ela, em grande parte, pode agir. Lembrando sempre que a UFU não lhe pertence. Quem não deve não teme. Por quê vossa senhoria teme a presença da nossa gloriosa e bicentenária ??? Passar bem, senhor burguês.

  5. Lembrando ainda ao senhor Reitor de que o terreno onde está “fincado” este prédio em que se posiciona a frente é da gloriosa e bicentenária. O contrato de permuta da troca feita lá em 1985 não foi cumprido na integra pela UFU. Portanto, o contrato de permuta pode e deve ser rescindido a qualquer momento. Com a palavra a doutas autoridades.

  6. O novo reitor certamente sabe que, essa função se destina a preservar os interesses da UFU, e o objetivo lógico é desocupar a área invadida por bandidos travestidos de militantes de movimento social. Acredito que o MPF deveria promover uma investigação relativa ao comando desse movimento cuja atuação tem até políticos locais.

  7. Nem começou ainda, más já disse a que veio, para bom entendedor, defende bandidos e grileiros, sem falar em traficantes dentro do Glória, e ainda quer ser compensado por isto, defende os drogados e os traficantes dentro do campo, lá no Jambolão que passará a chamar Jambovalder, ou seja, se o seu filho quiser se encher de drogas ou pelo menos iniciar a caminhada, o terreno sem lei, ou terra de ninguém, chama-se Campis da UFU. Chegou achando que a PM Mineira é impedida de vasculhar alguns lugares em MG, sendo que ela constitucionalmente pode entrar e varrer tudo em qualquer canto, e ainda quer uma compensação financeira, para os devaneios de um bom petista juramentado, que ainda não descobriu que o partidão vermelho da corrupção acabou. Reitor seja um filiado do PT, ainda dá tempo, corre em SP e faz a filiação! Já começou sujando as fraldas, como qualquer bom político. Vai tomar um tranco da sociedade Uberlandense, que prima pelo trabalho, pelo progresso e pela ordem, que não lhe darão tréguas a cada minuto de sua gestão. O cidadão quer ordem e leis, pois vivemos numa sociedade de regras e portanto regrados e permeados pela lei constitucional, somos uma sociedade e bom ou mal, más é isto e é assim que funciona! Meus filhos estudaram e estudam ainda na instituição (Um deles) graças a Deus, soubemos ensinar-lhes civilidade, equilíbrio e sensatez e sempre lhes mostramos onde as drogas levam o Ser Humano, a nada. Parece que vem chegando mais um desconstruído político, para assumir tamanha instituição de prestígio, dentre outro que graças ao bom Deus vai saindo. Que começou por destruir o glorioso Hospital de Clínicas. Eta Uberlândia, consegue tirar uma coisa ruim de uma instituição e aparece com outra pior, infelizmente é difícil de acertar, quando o Ser é Humano!

  8. Estudo no santa Mônica,e lá tem drogas para todo lado,eu deixei de fazer disciplinas a noite,por medo,mas durante o dia também está cheio de traficantes,e pelo que tenho visto,alguns professores também usam.No Umuarama os traficantes também tem livre acesso,inclusive vendendo dentro do hospital,eu fiquei internada lá,e morria de medo à noite,povo tudo noiado indo e vindo normalmente.Polícia será que dá conta disto? Nãoooooooooooo.Drogas e traficantes,ladrões,está tudo dominado,corram para as montanhas!

  9. A PM tem que cumprir o que determina a lei , só isto, e lá neste “Campi” é um espaço publico , portanto Ela, a PM , não tem que dar satisfação à ninguém , e tem que vigiar os usuarios de drogas, como é feito lá na praça Tubal Vilela , e prender os traficantes , este é o maior interesse da PM , e a PM de Minas Gerais vai cumprir o seu papel.

Deixe uma resposta

Ao enviar suas informações de registro, você indica que concorda com os Termos do serviço e leu e entendeu a Política de Privacidade do site do Correio de Uberlândia. Só serão liberados comentários cujos autores estejam identificados por nome e sobrenomes e que não contenham expressões chulas e/ou palavras de baixo calão.

Em função do período de campanha eleitoral e em atenção à legislação vigente, o CORREIO de Uberlândia se reserva o direito de não publicar comentários com viés político/eleitoral direta ou indiretamente direcionados aos partidos, agentes políticos, candidatos ou não, tanto na versão impressa quanto na internet.