Assine o CORREIO
menu
publicidade
publicidade

Cidade e Região

Rede pública perde mais de 15 mil alunos em 10 anos

Redução de alunos nas primeiras séries do ensino fundamental é de 11,8%

Em dez anos, a rede pública de ensino de Uberlândia perdeu mais de 15 mil alunos nas séries da educação infantil ao ensino médio. Hoje, com 103.411 estudantes matriculados nas redes municipal e estadual, a queda registrada é de 12,7%, no período entre 2002 e 2011. A principal responsável pela redução foi a rede estadual, que registra saldo negativo de 13.579 alunos (-20,4%). A rede municipal registrou diminuição de 2,7%, com menos 1.426 estudantes.

A queda na taxa de natalidade e o aumento da evasão escolar são alguns motivos apontados pelos especialistas para justificar a queda. O levantamento foi feito com base nos dados preliminares do Censo Escolar 2011, divulgado anteontem pelo Ministério da Educação (MEC).

Os dados mostram que as séries finais do ensino fundamental, do 6º ao 9º ano, apresentam o maior índice de queda, com 23% a menos de estudantes, somadas as redes municipal e estadual. Nas séries iniciais (1º ao 5º), a redução é de 11,8%. O ensino médio, de responsabilidade exclusiva do Estado, também teve queda, de 16%, no número de alunos.

Para Eduardo Macedo, mestre em Educação e professor da Universidade Federal de Uberlândia (UFU), a queda do número de estudantes na rede pública deveria ser sinônimo de uma educação com mais qualidade. “Em tese, os governantes têm mais recursos para trabalhar do que há dez anos, mas a realidade das escolas é quase a mesma. Faltam condições de estrutura para uma educação de qualidade”, afirmou.

Segundo a assessoria do Instituto de Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), autarquia do MEC que coordena o censo, os números ainda podem ser corrigidos ou complementados. As instituições têm o prazo de 30 dias para ratificar ou alterar algum dado, pois o sistema ficará aberto até 21 de outubro.

Educação infantil – Creches abriram quase 4,5 mil vagas

Mesmo com a queda no número de estudantes matriculados em toda a rede pública de ensino de Uberlândia, gerada pela redução de alunos no ensino fundamental e médio, nos últimos dez anos as séries da educação infantil registram aumento no número de matrículas no mesmo período.

Segundo dados preliminares do Censo Escolar 2011, a educação infantil, de responsabilidade do município, registrou crescimento de 41,9% entre 2002 e 2011. As creches apresentam o aumento mais expressivo, com a criação de 4.486 novas vagas (+312,6%). Na pré-escola, os dados mostram leve queda de 4,22%.

Segundo o professor e mestre em Educação da UFU Eduardo Macedo, os dados mostrem evolução na educação infantil, quando são comparados com os dados do Censo Demográfico 2010, feito pelo IBGE, mas demonstram a necessidade de mais investimentos. “A cada quatro crianças de 0 a 3 anos em Uberlândia, apenas uma está matriculada nas creches”, afirmou.

Hoje Uberlândia tem 31.260 crianças de 0 a 3 anos, segundo o IBGE, e 5.921 estão matriculadas em creches municipais. As informações do Censo Escolar servem para mapear o sistema de educação básica e para orientar a execução de programas e a definição de políticas públicas no país.

Educação infantil (creches + pré-escola)

2002 – 9.860 alunos matriculados

2011 – 13.990 alunos matriculados

Aumento de 41,9%

Creches

2002 – 1.435 alunos matriculados

2011 – 5.921 alunos matriculados

Aumento de 321,6%

Pré-escola

2002 – 8.425 alunos matriculados

2011 – 8.069 alunos matriculados

Queda de 4,2%

Ensino fundamental (séries iniciais e finais – 1º ao 9º ano)

2002 – 83.960 alunos matriculados

2011 – 68.778 alunos matriculados

Queda de 18%

Séries Iniciais (1º ao 5º ano)

2002 – 41.326 alunos matriculados

2011 – 36.450 alunos matriculados

Queda de 11,8%

Séries Finais (6º ao 9º ano)

2002 – 42.634 alunos matriculados

2011 – 32.868 alunos matriculados

Queda de 23%

Ensino Médio (1º ao 3º ano)

2002 – 24.596 alunos matriculados

2011 – 20.643 alunos matriculados

Queda de 16%

Rede Pública de Uberlândia (Rede Municipal e Estadual)

2002 – 118.416 alunos matriculados

2011 – 103.411 alunos matriculados

Queda de 12,7%

Rede Municipal

2002 – 51.998 alunos matriculados

2011 – 50.572 alunos matriculados

Queda de 2,7%

Rede Estadual

2002 – 66.418 alunos matriculados

2011 – 52.839 alunos matriculados

Queda de 20,4%

Comentários

3 respostas para “Rede pública perde mais de 15 mil alunos em 10 anos”

  1. Será que esses alunos que se evadiram da rede pública foram para a rede particular ou se evadiram das escolas públicas?
    Quais os motivos que levam os estudantes a deixarem os estudos?
    Porque o sistema tradicional de ensino ao invés de incentivar o estudante na busca do conhecimento faz com que ele desista?
    O que deveria ser feito para que o estudante tenha prazer em estudar e se dedicar à leitura?
    Quais melhorias devem ser feitas na infraestrutura das escolas públicas para que os estudantes e os educadores tenham ótimas condições de ensino?
    Porquê o Estado trata com tanto desleixo a educação básica?
    O que o educador(a) pode fazer para incentivar o estudante a buscar o conhecimento?
    Deixo aqui uma indagação para a sociedade pensar: ” como será a formação dos futuros cidadãos que terão a tarefa de desenvolver social e culturalmente nossa sociedade?

  2. a população parece ainda crescer, como as próprias creches demonstram, e o trabalho infantil está coibido, então aonde as crianças que não estão na escola foram parar e por quê?

Deixe uma resposta


quatro − = 0

Ao enviar suas informações de registro, você indica que concorda com os Termos do serviço e leu e entendeu a Política de Privacidade do site do Correio de Uberlândia. Só serão liberados comentários cujos autores estejam identificados por nome e sobrenomes e que não contenham expressões chulas e/ou palavras de baixo calão.

Em função do período de campanha eleitoral e em atenção à legislação vigente, o CORREIO de Uberlândia se reserva o direito de não publicar comentários com viés político/eleitoral direta ou indiretamente direcionados aos partidos, agentes políticos, candidatos ou não, tanto na versão impressa quanto na internet.