Assine o CORREIO
menu
publicidade
publicidade

Cidade e Região

Saiba mais sobre o câncer ocular; doença é mais comum na infância

Médica pede atenção aos pais e especialistas na hora de fazer o diagnóstico

Nesta terça-feira é comemorado o Dia Nacional de Conscientização e Incentivo ao Diagnóstico Precoce do Retinoblastoma. A doença, mais conhecida como câncer ocular, é mais frequente na infância. Esse tipo de câncer acomete as células formadoras da retina (parte do olho responsável pela formação de imagens) e compromete a visão, em alguns casos, causando a perda de um dos olhos.

De acordo com a oncologista pediátrica Tatiana Vilela, o retinoblastoma é um tumor agressivo, que pode invadir o nervo óptico e o sistema nervoso central. Nestes casos, pode matar em um período de dois anos. “A idade média do diagnóstico é em torno de 1 a 2 anos. Acomete uma a cada 20 mil crianças, atingindo igualmente meninos e meninas. Em Uberlândia, todos os casos que tivemos da doença foram descobertos tarde demais e as crianças perderam 50% da visão. Hoje elas usam uma prótese e fazem acompanhamento no hospital do Câncer, disse Tatiana Vilela.

Para a médica, é importante que médicos diagnostiquem precocemente a doença. “É preciso que eles saibam reconhecer os sinais da doença e encaminhem rapidamente para o especialista. Outro fator importante é que seja feito o teste do Reflexo Vermelho, ainda na maternidade, pelo pediatra que vai dar alta para o recém-nascido. O teste é um dos principais mecanismos para se diagnosticar o tumor”, afirmou.

Doença pode ser hereditária

Verificar o histórico familiar está entre os itens que precisam ser levados em consideração, uma vez que existem vários casos de hereditariedade (mutação genética). Nesses casos o tumor é mais agressivo, causando doença nos dois olhos e podendo levar a uma cegueira permanente. Devido ao fator hereditário, os pacientes e seus irmãos devem submeter-se a exames periódicos e avaliação com geneticista para determinar o risco que tem em desenvolver o tumor.

Sintomas da doença

O principal sintoma do câncer ocular é a leucocoria, ou seja, um reflexo branco, semelhante ao olho do gato, quando um feixe de luz artificial ou de um flash incide através da pupila. Nos olhos saudáveis, esse reflexo é sempre vermelho. Um estudo feito recentemente analisou 1.831 crianças portadoras de retinoblastoma. Ele apontou que o reflexo do olho do gato (leucocoria) é mais notado pelos pais.

Baixa visão, estrabismo, deformação do globo ocular, são outros sintomas do retinoblastoma, porém, em nível avançado da doença.

Diagnóstico

O diagnóstico do retinoblastoma é feito pelo exame oftalmológico completo,incluindo avaliação da retina, além da Ultrassonografia do olho e TC (tomografia computadorizada) de órbitas e crânio.O tratamento inclui laser (termoterapia), crioterapia, radioterapia, quimioterapia e enucleação, que é a retirada do globo ocular. A escolha do tratamento é determinada pelo tamanho, localização, comprometimento da visão e idade da criança.

50% dos casos são diagnosticados tardiamente

O tumor apresenta altos índices de cura, chegando a 90% se diagnosticado no período inicial da doença. Hoje, 50% dos casos ainda são identificados tardiamente. Para diminuir esse número, o Governo instituiu o dia 18 de setembro como o Dia Nacional de Conscientização e Incentivo ao Diagnóstico Precoce do Retinoblastoma. A data tem o objetivo de educar a população e os profissionais de saúde, ampliar o diagnóstico precoce e salvar a visão e a vida de crianças com este tipo de tumor.

Comentários

5 respostas para “Saiba mais sobre o câncer ocular; doença é mais comum na infância”

  1. Parabéns pela reportagem, na minha família tem muitas crianças e sempre tive medo de alguma delas desenvolver câncer. Aprendi muito sobre o câncer ocular com esta matéria e até gostaria de ver outras reportagens sobre outros tipos de câncer infantil.

Deixe uma resposta


+ sete = 15

Ao enviar suas informações de registro, você indica que concorda com os Termos do serviço e leu e entendeu a Política de Privacidade do site do Correio de Uberlândia. Só serão liberados comentários cujos autores estejam identificados por nome e sobrenomes e que não contenham expressões chulas e/ou palavras de baixo calão.

Em função do período de campanha eleitoral e em atenção à legislação vigente, o CORREIO de Uberlândia se reserva o direito de não publicar comentários com viés político/eleitoral direta ou indiretamente direcionados aos partidos, agentes políticos, candidatos ou não, tanto na versão impressa quanto na internet.