Assine o CORREIO
menu
publicidade
publicidade

Cidade e Região

Superintendente da Amis critica lei das sacolinhas

Guilherme Miranda e Adilson Rodrigues dizem que foco é a sacola retornável

O superintendente da Associação Mineira de Supermercados (Amis), Adilson Rodrigues, criticou a lei municipal que proíbe o uso de sacolas plásticas tradicionais. Ele se reuniu nesta quinta-feira (30) com o promotor de Defesa do Consumidor do Ministério Público de Uberlândia, Fernando Martins e disse que se não houver incentivo para o uso exclusivo da sacola retornável, as chances de redução das sacolas plásticas no meio ambiente são baixas. “Não queremos nem as sacolas tradicionais nem as oxibiodegradáveis, que deixam resíduos na natureza. Queremos é o foco na retornável”, disse.

Cada sacola retornável tem o custo médio de R$ 2. Já as sacolas feitas à base de amido de milho, tidas como ecologicamente corretas, teriam o valor repassado ao cliente. De acordo com a Amis, o preço de custo de cada unidade hoje é R$ 0,19.

Na reunião, o promotor Fernando Martins afirmou ao superintendente da Amis que já fez recomendação para que não haja cobrança das sacolas disponibilizadas ao consumidor. “Considerando que a legislação foi feita há três anos, os donos de supermercados não foram pegos de surpresa”, disse.

A lei municipal, de autoria do vereador Delfino Rodrigues (PT), passa a valer a partir de sábado (2). O descumprimento da determinação pode gerar multa de R$ 85,71 a R$ 821,56. A fiscalização será feita pela prefeitura municipal.

Representante local da Amis participou da reunião

O vice-presidente regional da Associação Mineira de Supermercados (Amis), Guilherme Miranda, se reuniu com o superintendente da Associação Mineira de Supermercados (Amis), Adilson Rodrigues, e como o Promotor de Defesa do Consumidor, do Ministério Público de Uberlândia, Fernando Martins.

Na oportunidade, Guiherme Miranda, afirmou que os supermercadistas de Uberlândia já estão preparados para atender as exigências da lei municipal que proíbe o uso das sacolas plásticas tradicionais. “Os supermercados já adquiriram as sacolas oxidegradáveis e não haverá custo para o consumidor”, disse.
Ele afirmou também que algumas redes de supermercados de Uberlândia já aboliram o uso da sacola tradicional. “Muitas se anteciparam e estão disponibilizando as sacolas ecologicamente corretas”, disse.

Debate sobre o tema

A Câmara Municipal de Uberlândia realiza hoje um debate sobre o uso da sacola plástica no comercio da cidade. A Lei n° 9.885, de 1º de julho de 2008, que determina a substituição do “saco plástico de lixo e de sacola plástica por saco de lixo ecológico e sacola ecológica”, passa a valer a partir do dia 2 de junho.

Para o debate foram convidados representantes de diversos segmentos, como empresas fabricantes de sacolas com tecnologia oxibiodegradável, biodegradável, hidrossolúvel e sacolas retornáveis, além das Promotorias do Consumidor e do Meio Ambiente, Secretaria de Meio Ambiente e demais setores envolvidos com a substituição das sacolas plásticas.

A reunião é aberta a população e acontece hoje a partir das 9h no plenário da Câmara Municipal de Uberlândia.

Comentários

17 respostas para “Superintendente da Amis critica lei das sacolinhas”

  1. Interessante, também concordo que a opção pela sacola retornável é a melhor para o meio ambiente..Justamente por isso a lei autoriza que o próprio comerciante tome sua iniciativa e escolha a opção que melhor combina com seu cliente…O que interessa é não tratar a questão ambiental criando um ônus para o consumidor, são dois bens jurídicos diferentes!!

  2. A partir de sábado, a pessoa que precisar comprar algo em um supermercado deverá planejar para fazer isso – se não quiser pagar a mais por isso.
    Se a pessoa estiver na rua e descobrir que precisa comprar algo, terá duas opções: voltar pra casa, buscar sua sacola bonita de pano e voltar ao supermercado (pagando a gasolina ou passagem de ônibus que isso implica) ou então, caso não consiga carregar os produtos nas mãos, arcar com os R$ 0,19 a cada sacolinha “oxi”.
    É a hipocrisia do politicamente correto “meio-ambiente sustentável” às custas dos outros.
    Fraldas descartáveis poderão continuar a poluir o meio-ambiente, até que descubram que alguma forma mais onerosa de ferrar com o povo.

  3. NUNCA, OUVI TANTAS BOBAGEM, QUE LEI É ESSA, PELO AMOR DE DEUS , E BERRANTE ISSO.
    ENQUANTO AS DROGAS , NINGUEM PROIBE, NÃO TEM MESMO O QUE FALAR NÉ, O COMBUSTIVEL AUTOMOTOR, POLUI MUITO MAIS QUE SACOLAS, KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK ONDE VAMOS PARAR COM TANTA GENTE INCOMPETENDE, NA POLITICA.

  4. É? Ele devia criticar também o sacolão de leis que tem nesse pais e não resolve nada! Então vamos guardar as sacolinhas… elas vão ter muitas serventias para as proximas eleições.

  5. NUNCA, OUVI TANTAS BOBAGEM, QUE LEI É ESSA, PELO AMOR DE DEUS , E BERRANTE ISSO.
    ENQUANTO AS DROGAS , NINGUEM PROIBE, NÃO TEM MESMO O QUE FALAR NÉ, O COMBUSTIVEL AUTOMOTOR, POLUI MUITO MAIS QUE SACOLAS, KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK ONDE VAMOS PARAR COM TANTA GENTE INCOMPETENTE , NA POLITICA.

    Responder

  6. Será que já é possível saber os custos financeiros e ambientais da fabricação das sacolas retornáveis? E teríamos que usar sacos plásticos para embalar o lixo doméstico? Mais uma vez, quem paga o custo é o consumidor, principalmente, o pobre que não tem porta-mala para transportar suas compras.E as compras em lojas de roupas, cal;acod?

  7. Ontem, no balanço geral, o representante da AMIS ironizou a lei, perguntando porque o vereador não inclui outros plásticos, que também são prejudiciais a natureza.Na verdade, a lei busca minimizar o impacto ambiental diante da presença humana. Sempre haverá danos a natureza. O Sr Franco Cristiano, do procon, deve assumir o lado do povo, não o lado da AMIS e dos grandes fabricantes da sacolinhas biodegradáveis. Porque não incentivar o uso dos sacos de papel, que melhores do as sacolinhas?Será porque os fabricantes são pequenos e não são as multinacinais que qerem vender as sacolinhas de amido de milho e etc???

  8. OS SUPERMERCADOS TINHAM QUE FAZEREM UMA MEGA OPERAÇÃO, E DISTRIBUIR ESTAS SACOLAS DE GRAÇA PRA POPULAÇÃO, E SÓ ARRUMAR UNS 2 PATROCINADORES,E COLOCAR NA SACOLA…E SOBRAVA DINHEIRO.OS SUPERMERCADOS SÓ QUEREM GANHAR DINHEIRO NÃO PENSA NO CLIENTE…POR ISSO QUE NÃO SOU FIEL A NENHUM.

  9. Não nos resta outra alternativa a nós consumidores se não a de comprarmos as sacolas retornáveis como forma de evitar a poluição da natureza e impermeabilização do solo nos aterros sanitários que dificulta a decomposição dos detritos sólidos.
    Todavia advirto que deveria existir uma forma de impedir o lançamento do gás metano (CH4) resultante da decomposição do lixo por meio da construção de usinas bioelétricas em que são gerados créditos de carbono negociáveis nas bolsas de valores onde o Município poderia arrecadar recursos financeiros a serem investidos na área de educação e mesmo meio ambiente.
    O uso da razão fundamenta o conhecimento científico do qual deveria ser melhor aproveitado pelo Poder Público.

  10. Vai cair, essa lei ridiciula vai cair…

    Em Sao Paulo ja está caindo, acabou de sair liminar..

    Essa lei é fruto da ignorância da ECO-CHATISSE, ECO-XIITISSE, ECO-ESQUISITISSE, se nao ganhamos a sacola PARA USARMOS COMO SACO DE LIXO, vamos ter de comprar saco de lixo, o que vai acontecer, o meio ambiente vai ganhar O QUE ??? NADA!!! Só nos vamos perder, vamos ter de meter dinheiro no bolso pra comprar SACOS DE LIXO!!!

  11. Mais uma vez quem paga é o Consumidor! tantas coisas para preocupar crianças nas ruas servindo de mulas, as escolas sendo depredadas, e vaõ preocupar com sacolinhas plasticas como se isso fosse resolver o problema da natureza.
    Quero saber onde vamos colocar nossso lixo????
    É pra Cabar!!!!!!11

  12. Gente vamos nos informar, não haverão cobranças, as sacolinhas nao serão proibidas e sim substituidas por ecologicas…vamos pensar no meio ambiente pelo amor de deus!! é claro que o consumidor nao sera prejudicado…o autor da lei foi ao ministerio publico várias vezes…a lei ja existe a 3 anos e ninguem nunca fez trabalho de conscientização..hoje houve debate na camara e alguem foi pra levar a opiniao? claaaro que nao, criticar do sofá é fácil…

    vamos trabalhar pelo proximo ao invez de perder tempo;;;cabeças pensantes é o que precisamos

  13. Não há nada mais esduxúlo e contrario ao bom senso como a proibiçao do uso de sacolas plasticas. Seria o mesmo que proibir a circulação dos automoveis por poluirem o meio ambiente.
    Os pais lutam tanto para que seus filhos cheguem a uma grande universidade; alguns destes filhos conseguem se tornar engenheiros quimicos, por exemplo, grandes pesquisadores, cientistas, capazes de criarem formulas para minimizar impactos ambientais; e, aparecem entao pessoas sem nenhum conhecimento cientifico criando leis absurdas que se constituem num retrocesso para a humanidade?
    Acabar com as sacolas? Usar sacolas de pano? Caixas de papelao cheias de bacterias? Carregar tudo nas maos, deixando cair, sujar, amassar!!!! Valha me Deus!!! que coisa mais arcaica!!!
    Vamos entao destruir as maquinas de RECICLAR, construidas por homens inteligentes, engenheiros mecanicos e outros grandes inventores!!
    De nada vale o homem estudar tanto, usar sua inteligencia e construir maquinas super potentes de RECICLAGEM se nao vai ter material para RECICLAR, pois estamos voltanto à idade da pedra!!!!
    Eleitores, as eleições estão chegando. Vamos ser mais conscientes ao eleger nossos representantes para que não sejamos nós os prejudicados.
    Deleguemos poder a cidadaos com conhecimento.
    Material plastico agride o meio ambiente?
    Temos pesquizadores capacitados para dar essa resposta com conhecimento cientifico. Não é vereador, promotor, fiscal nenhum nao!!
    Primeiramente teria que ser feito um estudo com esses estudiosos competentes, quimicos da área ambiental, e so depois decisoes poderiam ser tomadas, e, nunca a nivel municipal, somente a NIVEL FEDERAL.
    Existem no pais órgaos que regulam a abertura de indústrias, industrias de sacolas plasticas ou qualquer outra que seja; estes orgaos sim é que são os competentes para autorizarem o que uma industria pode ou nao industrializar.
    O comercio, o povo em geral nada tem a ver com essa ou aquela sacola.
    Alias, tem muita gente, coitada que nem sabe o que quer dizer “oxiobiodegradavel”!!!
    Tem comerciante com medo de trabalhar, com medo da “multa”, como se ele fosse o fabricante da tal da sacola!!!
    Pelo amor de Deus!! como é que alguem que se diz “representante do povo” faz uma palhaçada dessas!!!
    Por isso que nosso País ta essa bagunça danada.
    Olha o contra-senso: -pedimos mais verbas para a educação e elegemos politicos sem instruçao! Estamos dando marcha-ré gente!
    Que tal começarmos nas próximas eleiçoes a votar com a razão?
    Politico que so quer causar tumulto, criar polêmica- fora!!!
    Leis ambientais são de competência do governo Federal, dos órgãos Federais que normatizam a abertura e funcionamento das Industrias no Pais!!!!

  14. AS SACOLAS BIO E OXI-BIODEGRADAVEL SE TORNA CARA O MAIS VIÁVEL PARA O CONSUMIDOR É A SACOLA DURÁVEL, COMO ERA USADA NA ÉPOCA DE NOSSOS PAIS E O MEIO AMBIENTE ERA MAIS LIMPO

  15. Eu não sou contra a retirada de sacolas, más desde já deveria ou deve ser geral, ou seja ser no Brasil todo..pois não adianta ser só nas grandes Empresas ..quantos outros produtos contamina o meio ambiente???se pensar bem quem acaba perdendo com isso são nõs consumidores..pois os preços sobem a toda semana.. o quanto estão se preoculpamdo com isso exite muitas outras fonde que destroi o meio ambiente, e neguinho não está nenhe air…

Deixe uma resposta


+ nove = 10

Ao enviar suas informações de registro, você indica que concorda com os Termos do serviço e leu e entendeu a Política de Privacidade do site do Correio de Uberlândia. Só serão liberados comentários cujos autores estejam identificados por nome e sobrenomes e que não contenham expressões chulas e/ou palavras de baixo calão.

Em função do período de campanha eleitoral e em atenção à legislação vigente, o CORREIO de Uberlândia se reserva o direito de não publicar comentários com viés político/eleitoral direta ou indiretamente direcionados aos partidos, agentes políticos, candidatos ou não, tanto na versão impressa quanto na internet.