Assine o CORREIO
menu
publicidade
publicidade

Cidade e Região

Tanatopraxia: profissionais têm a morte como rotina

Laboratório onde os corpos são preparados para o velório

Imagine acordar todos os dias sabendo que cerca de cinco a oito corpos estarão à sua espera para serem preparados para o velório. Esta é a função de Paulo Henrique Izidoro, 47 anos, e que há sete trabalha em uma funerária de Uberlândia como tanatólogo. O nome é dado ao profissional responsável pela higienização dos corpos nas funerárias.

O interesse pela função surgiu quando ele trabalhava como motorista, no transporte dos corpos. “Eu ajudava os tanatólogos nos ajustes finais, como colocar roupa e decorar o caixão”, afirmou Paulo Henrique que trocou os carros de funeral pelo laboratório de tanatopraxia atraído pela faixa salarial. Um tanatólogo recebe cerca de R$ 2 mil, o equivalente a quase quatro vezes o salário mínimo, com carga horária de 12×36 horas.

Para Paulo Henrique, os primeiros dias de trabalho foram difíceis, principalmente, quando recebia pessoas que morreram vítimas de acidente ou crianças. “Eu ficava um pouco impressionado, mas não tinha como fugir daquela situação. Hoje vejo como uma atividade normal e que sustenta a minha família”, disse Paulo Henrique.

PROCEDIMENTOS
 
Na funerária em que Paulo Henrique trabalha há outros três profissionais que desempenham a mesma função. Ao receber o corpo, o primeiro procedimento feito com o cadáver é a retirada de todas as substâncias líquidas e gasosas. “Com o corpo seco, injetamos 7 litros de água misturados a 1 litro de formol. Este procedimento leva cerca de 1h30 e garante a conservação do corpo para o velório”, afirmou o tanatólogo. Quanto maior a quantidade de formol, maior o tempo que o corpo pode ser velado.

A maquiagem do cadáver também fica a cargo de Paulo Henrique. Na sala de preparo do cadáver há um estojo com produtos de salão de beleza. Pó compacto, base e batom também fazem parte dos instrumentos de trabalho. “Também temos uma massa facial para casos em que é preciso fazer a reconstituição da pele, em pessoas que foram baleadas, por exemplo,” afirmou.

Mesmo trabalhando com a morte, há situações em que Paulo Henrique consegue se divertir. “É interessante quando os parentes comentam que a pessoa ficou com o rosto mais bonito, pois o formol costuma deixar a pele mais vistosa. Quando tiramos a barba de uma pessoa que a possuía há muito tempo também causa surpresa”, disse o tanatólogo.

Além da função de tanatólogo, há o necromaquiador, especialista em maquiar defuntos. No entanto, em Uberlândia, não existe profissional nesta área.

Comentários

56 respostas para “Tanatopraxia: profissionais têm a morte como rotina”

  1. Se injentam sete litros de água e um de formol, como que a funerária tem a coragem de cobrar 500,00 reais por esse procedimento? Pensem nisso…Peçam nota fiscal discriminada…vou guardar cópia desta reportagem.

  2. ja trabalhei nisso e uma nojeira.muinta das vezes a funeraria quase obriga a familha fazer. tem casoa que nen presisa. e ganancia das funerarias….

  3. aprendi como paulo henrique, so arumando corpos em minha cidade,itapagipe mg ja asisti necropsia, autopsia; eu queria apenas uma oportunidade de emprego nesta cidade que morei anos sou motorista carreteiro de profissao a 22anos conheco quase todo o brasil. aprendi trabalhar em funeraria com meu padrinho em itapagipe mg funeraria santa maria

  4. SOU TBM TANATOPRAXISTA,ACHO QUE VC NAO TEM IDEIA DO QUE ESTA FALANDO.
    IMAGINA VC LIDANDO COM BACTERIAS ALTAMENTE CONTAGIOSAS ,HIV,HEPATITE,TUBERCULOSE E MENIGINTE.
    VC LIDAR COM FEZES E OUTROS TIPOS DE SITUAÇÃO,VC TRANSFORMAR UMA PESSOA DO ESTADO EM QUE FALECEU EM UMA PESSOA SERENA SEM CHEIRO COM A APARENCIA NORMAL PARA A ULTIMA HOMENANGEM EM EXPLORAÇÃO ACHO QUE DEVE REVER SEUS CONSEITOS O PREPARAR UMA PESSOA EM ESTADO DE DECOMPOSIÇÃO PARA VER SE VALE OU NÃO A O VALOR QUE É COBRADO ESSE PROCEDIMENTO.
    NAO FALE O Q NÃO SABE MINHA FOR.

  5. Boa reportagem sobre este importante profissional, porém faltou contextualizar mais. Assim, buscando enriquecer o tema, registro aqui que o uso do formol está proibido também em processos funerários. Quando o Tanatólogo está realmente treinado e capacitado, existem cursos na profissão, ele aprende que o formol foi substituído por técnicas de injeção de líquidos específicos, como “TA 26, TA 14, TA 12, etc.”. Também, para conhecimento de todos, em Uberlândia existe sim profissional em “Necromaquiagem”, a Sra. Valéria Cunha da empresa Funerária Ângelo Cunha. Grande Abraço a todos! Pedro Alves é “Especialista em Serviços Póstumos” a nível nacional.

  6. Para alguns desentendidos é fácil criticar que o valor cobrado é alto, que as funerárias que forçam para que seja feito o procedimento da tanatopraxia. O que não sabem é que um corpo dependendo do tipo de morte que teve, pode levar menos de uma hora para começar a ter secreções e corrimentos mal cheirosos, nada agradáveis para um filho ou um esposo ver e sentir. Assim sendo sou a favor do profissionalismo e respeito aos familiares que ali estão velando o seu ente, que mesmo na morte merece ter dignidade. “Ricardo Rodrigues” Porque a vida continua…

  7. olha eu sou tanatopraxista e tem muito orgulho da minha profissao
    a questao de a funeraria obrigar a familia fazer os procedimentos no corpo do ente querido
    a familia nao e obrigada a fazer a tanatopraxia se a funeraria , falar para a familia que e obrigado a fazer o tanatopraxia , e mentira ninguem e obrigado fazer algo que nao quer e falco tanatologo eu amo muito oque eu faço nao faço por dinheiro e sim por amor

  8. Eu gostaria de ser uma profissional da tanatopraxia, mas em Uberlandia nunca ouvi falar que tem esse curso,como posso fazer? será que eu procurando uma funeraria(se tiver vaga) eles dao treinamento?

  9. ola
    ja conheco um pouco desse trabalho, pois sou proprietaria de funeraria, mas nao tenho laboratorio, gostaria de saber mais, acho fascinante.

  10. ESSE SERVIÇO DE TANATOPRAXIA REALMENTE SO PODE SER FEITO POR QUEM GOSTA POIS SO POR VALOR DE SALARIO NÃO TEM COMO EU CREIO, POR SER UMA AREA DE ALTO RISCO E QUE PRA SER SINCERA O SALARIO NÃO E LA ESSAS COISAS, POIS TEM GENTE Q SE CANSA E SE ARRISCA MENOS POR MAIS, PARABENS A TODOS OS TANATOLOGOS.

  11. Bom, fiz o curso de tanatopraxia pelo que mim esnsinaram não é obrigado a fazer o procedimento em todos os corpo se a familia não quizer, pra mim é a higienizaçao e conservação do cadever, visando uma aparencia proxima da que tinha para que a familia possa passar mais um tempinho com o ente querido. Estou de uma oportunidade de emprego

  12. Ola companheiro de profissão!
    trabalho numa famosa funeraria do Rio De Janeiro.tem uma duvida se tenho direito a periculosidade.voçes pode me tirar essa duvida .valeu um grande abraço.tamos juntos…

  13. Meu DEUS , qtos erros de português eu li aqui…acho que antes de ser qualquer tipo de profissional, primeiro tem de saber escrever !!putis imagina meu…quis peçinhas viu rum…fui

  14. Ola…eu tambem sou tanatologo no estado do ceara, vc tem direito sim, já que nossa profissão e de grau de periculosidade (N:3) essa escala no brasil vai ate (N:4)…se cuida!!!

  15. Recebir um convite de uma funeraria para preparar arrumar defuntos, não tenho muita noção de aplicação de formol. peço encaricidamente uma orientação para aplicação de formol. dar banho, maquiar, tirar a barba enfim tudo isso já faço mas a plicação de formol não tenho muita pratica, quais os orgãos que mais precisa. peço que me aajuda

  16. Creio que o que a amiga esta reclamando é o valor do procedimento, nao sobre salário do tanatólogo. De 600, quanto deve ir para o profissional? Quanto é extraído para a funerária? Quanto é gasto em matéria para o serviço? A questão aqui é discutir um lucro um pouco alto, na minha opinião, para a empresa de serviço póstumo que encarece o procedimento no fim. Fizemos opção pelo serviço para um familiar, e eles foram irredutíveis quanto a preços, nao da forma que se espera do profissional nessa hora, mas tratando toda nossa relação puramente comercial, ou seja, nao humanizada, então nem adianta palavrório de “vida continua” e jargões assim. (isso porque a funenária demorou mais de 2 horas para recolher o corpo no hospital, contados a partir da liberação pelos médicos, as duas pessoas que fizeram a retirada do meu familiar para o carro fúnebre ainda fizeram piadinhas enquanto pegavam o corpo, mas isso nao vem ao caso). No caso, o cadáver de meu familiar nao estava em decomposição, nao apresentava secreções, faleceu por insuficiência cardíaca e pneumonia e para a duração do funeral, nao precisávamos da tanatopraxia, mas fizemos por segurança e porque o sepultamos fora da cidade de Udi. Pessoal, entendo a situação de perigo que o profissional se submete, eu, em breve, terei que fazer lavagens intestinais, estive em necrópsias, estou dentro de um hospital convivendo com milhares de viroses, bacterioses e outros riscos com pessoas e material com alto risco infectante, sei como é isso. Um serviço desse, deveria ser, na minha situaçao, no máximo R$ 350, ainda mais como cliente antigo de convênio que foi meu familiar. Se deixa, as funerárias vao colocar isso mais caro que o o serviço de embalsamar

  17. GENTE NÃO CONHEÇO NINGUÉM AQUI NO RIO DE JANEIRO DESSA ÁREA .ALGUÉM SABE ONDE PROCURO POR ESSE CURSO E SE PRECISO SER PROFISSIONAL DA ÁREA DE SAÚDE?

  18. VC TEM RAZÃO ESTE QUE QUESTIONA O VALOR DEVERIA SIM ELE FAZER,PAGAR O CURSO E PAGAR O PREÇO EMOCIONAL E AINDA COM CERTEZA AGUENTAR A DOR DE VER O QUE O SER HUMANO SE TRANSFORMA.PERGUNTA SERÁ QUE ELE FARIA ANOS AFIO POR 500,00 REAIS. DIANTE DE TUDO QUE SE VÊ?

  19. oi Rafael,me chamo Ana moro no rj tenho 31 anos me interessei pela profissao de tanatologo,gostaria de sabr de tem algum curso espefico pra fazer pode me dar uma dica?Obrigada

    Vou começar a fazer um curso de necropsia ,ja é um bom começo?

  20. Gostaria de saber se em Uberlandi tem o curso, pois preciso fazer o curso logo, para exercer a função de tanatologo- … Trabalho em uma funeraria ha um tempo e qro ser tanatologa .. E a cidade mais perto e Uberlandia.. E ae tem o curso em Uberlandia ?? Se tiver posta o endereço ae pra mim … Obrigado

  21. gostaria muito de fazer esse curso porém moro em belo horizonte,poderia me indicar um lugar conceituado nessa aréa desde de já agradeço.

  22. ELES PODEM COBRAR A QUANTIA QUE QUISEREM,SE ALGUEM ACHAR CARO,QUE ENTERRE O ENTE “QUERIDO”NO QUINTAL DE CASA.NINGUEM É OBRIGADO A TRABALHAR D EGRAÇA PARA OS OUTROS NÃO.

  23. ESTOU FAZENDO UM ESTAGIO DE TANATO GOSTARIA DE SABER SE EM UBERLANDIA HA VAGAS NESTA AREA E COMO EU PODERIA ESTAR ME CANDIDATANDO NA AREA
    OBRIGADA
    JOELMA DE SAO PAULO

  24. NOSSA GALERA .. ESTAMOS FALANDO DE SERES HUMANOS …QUE NÃO ESTÃO MAIS PRESENTE .. E SE AS FUNERARIAS COBRAM 500-600-OU 10000 NÃO IMPORTA … POIS O TRABALHO É DIFICIL MESMO … NÃO JULGUEM .QUE FEIO.

  25. Gente, Deus abençoe esses profissionais! Jamais conseguiria atuar nessa profissão. Não conhecia esse procedimento, infelizmente minha mãe partiu…dói muito…

  26. Agora isso vai acabar! Em Uberlândia vc poderá cremar seus mortos e, com a promoção (queima total 12 corpos de uma vez só!) vai sair a menos da metade do procedimento dos tanatarólogos!!

  27. Sou contra a esse procedimento, quem faz isso não tem um pingo de senso de consideração pelo corpo que está ali, caiu lá dentro com eles se preparem para estar
    nas mãos de açoqueiro, eles distripam o morto, sabe falta pouco pro morto abrir os olhos e gritar socorro, estão me matando.

    • vc não sabe nada, minha querida, imagina seu ente querido dentro da urna, fedendo vazando, destruído, vc gostaria de ver isso? faça o curso e verá que é uma profissão linda e extremamente necessária!

Deixe uma resposta


nove − = 5

Ao enviar suas informações de registro, você indica que concorda com os Termos do serviço e leu e entendeu a Política de Privacidade do site do Correio de Uberlândia. Só serão liberados comentários cujos autores estejam identificados por nome e sobrenomes e que não contenham expressões chulas e/ou palavras de baixo calão.

Em função do período de campanha eleitoral e em atenção à legislação vigente, o CORREIO de Uberlândia se reserva o direito de não publicar comentários com viés político/eleitoral direta ou indiretamente direcionados aos partidos, agentes políticos, candidatos ou não, tanto na versão impressa quanto na internet.