menu
publicidade
publicidade

Cidade e Região

Técnicas menos traumáticas elevam busca por implantes

O Brasil é o segundo País que mais faz implantes dentários no mundo, atrás apenas dos Estados Unidos. São 2,2 milhões de cirurgias realizadas por ano, de acordo com a pesquisa realizada pela Associação Brasileira da Indústria de Artigos e Equipamentos Médicos, Odontológicos, Hospitalares e de Laboratórios (Abimo). A grande busca por esse recurso nos consultórios odontológicos brasileiros deve-se, entre outros motivos, a técnicas cada vez mais avançadas e seguras. Exemplo disso é o implante dentário guiado, que oferece maior precisão durante o procedimento e recuperação rápida do paciente, conforme o especialista em implantodontia Mário Henry.

Segundo Mário Henry, implante dentário guiado é uma técnica menos invasiva, gera menos dor aos pacientes e possibilita uma  recuperação mais rápida (Foto: Celso Ribeiro)

Segundo Mário Henry, implante dentário guiado é uma técnica menos invasiva, gera menos dor aos pacientes e possibilita uma recuperação mais rápida (Foto: Celso Ribeiro)

Além do benefício estético, aponta o especialista, o implante dentário devolve ao paciente a mastigação correta e a segurança para falar, comer e sorrir em público. “Conhecido como um procedimento doloroso e que demanda muito tempo e dinheiro, atualmente na odontologia o implante ganhou atenção e investimento tecnológico, resultando no implante guiado. A aplicação dessa alta tecnologia possibilitou um procedimento cirúrgico mais ágil e menos invasivo, facilitando o processo de recuperação, diminuindo o desconforto após a cirurgia e reduzindo o consumo de drogas contra a dor e infecções”, disse Henry.

O especialista em implantodontia explica também que o implante guiado nada mais é do que a execução de um planejamento virtual eficiente e rápido. O processo começa a partir da tomografia digital em alta definição que é feita na própria clínica. Em seguida, essas informações são transferidas para um software de computador com imagens em 3D e a sua manipulação permite o posicionamento exato de onde o pino metálico será inserido e a profundidade que precisa atingir.

Após esse processo, segundo Henry, obtém-se uma guia personalizada, que na hora da cirurgia é encaixada na boca do paciente, indicando o local onde o implante será fixado, sem a necessidade do uso de bisturi e de pontos na boca após concluir o procedimento. “Na técnica de implante convencional, é preciso abrir com bisturi o retalho no local, descolar a gengiva, colocar o implante no interior do osso e dar pontos. Todo esse processo causa mais inchaço e dor durante a recuperação”, afirmou.

Vantagens

No implante dentário guiado, a dor que o paciente sente é menor que em um procedimento convencional, de acordo com o especialista em implantodontia Mário Henry. “Essa técnica, que utilizamos quase que na totalidade dos casos, o procedimento causa menos sangramento, o desconforto é menor e a cirurgia é feita com bastante segurança. São vários benefícios e vantagens com esta técnica”, disse.

Henry lembra ainda que o paciente que passa por este procedimento tem acompanhamento e controle clínico e tomográfico pós-operatório imediato. “E tudo é feito com a assinatura odontologia digital, aliando alta tecnologia e sustentabilidade.”

Comentários

Deixe uma resposta

Ao enviar suas informações de registro, você indica que concorda com os Termos do serviço e leu e entendeu a Política de Privacidade do site do Correio de Uberlândia. Só serão liberados comentários cujos autores estejam identificados por nome e sobrenomes e que não contenham expressões chulas e/ou palavras de baixo calão.

Em função do período de campanha eleitoral e em atenção à legislação vigente, o CORREIO de Uberlândia se reserva o direito de não publicar comentários com viés político/eleitoral direta ou indiretamente direcionados aos partidos, agentes políticos, candidatos ou não, tanto na versão impressa quanto na internet.