Cidade e Região

Notícias de interesse geral de Uberlândia e região.

14/11/2012 7:42

UFU acaba com Paaes e decide aplicar a Lei de Cotas para as seleções de 2013

Barros diz que processos em andamento serão ajustados

O Conselho de Graduação da Universidade Federal de Uberlândia (Congrad/UFU) decidiu, por 36 votos a 11 e 3 abstenções em reunião na tarde de ontem, extinguir o Programa de Ação Afirmativa de Ingresso no Ensino Superior (Paaes). O Congrad também resolveu aplicar a Lei Federal de Cotas Sociais e Raciais, que destina 50% das vagas de processos seletivos a alunos de escola pública, integralmente já em 2013, apesar de o governo federal permitir que a implantação seja feita gradativamente até 2016. As decisões do Congrad ainda passarão por avaliação do Conselho Universitário (Consun), na reunião extraordinária que acontece no próximo dia 20.

Segundo o pró-reitor de Graduação da UFU, Waldenor Barros, a Pró-reitoria de Graduação (Prograd) da universidade tinha um sistema de cotas de 25% para alunos de escolas públicas pelo Paaes e, agora, esse benefício será ampliado para 50% pela lei do ingresso pelo Enem-Sisu. “O entendimento foi de que a universidade tem um compromisso com a sociedade e com a escola pública, de que a lei já está posta e de que essa lei traz um benefício maior que o próprio Paaes”, afirmou Barros.

Mesmo que o Consun aprove a decisão do Congrad, os subprogramas 2011/2014 e 2010/2013 do Paaes serão realizados, com ajustes, para não prejudicar os alunos que já iniciaram o processo avaliativo. “Para ter a segunda e terceira etapa, o programa terá que ser ajustado na perspectiva da lei. Primeiro porque a lei de cotas estabelece três anos de escolas públicas e o Paaes, sete anos. Hoje, o Paaes reserva 25% das vagas e não poderia ser esse percentual, porque, somando com os 50% que entram pelo Enem-Sisu, teríamos 75% de vagas reservadas só para alunos de escolas públicas, e isso poderia causar uma distorção”, disse Barros.

Decisão será avaliada pelo Consun

O Conselho Universitário da Universidade Federal de Uberlândia (Consun/UFU) pode resolver manter a decisão do Conselho de Graduação (Congrad) ou não. Caso o Consul entenda que o Programa de Ação Afirmativa de Ingresso no Ensino Superior (Paaes) deve continuar existindo, será necessário remodelar o programa, segundo o pró-reitor de Graduação da UFU, Waldenor Barros. “Se o Consun decidir manter o Paaes, precisaremos realizar um estudo para ajustar o formato do programa. Pela lógica da lei, se eu abrir um processo seletivo, 50% das vagas necessariamente devem ser para alunos de escolas públicas. Então, os outros 50% do Paaes se abrem para a comunidade”, disse Barros.

Estudantes de escolas públicas fazem protesto em frente à Reitoria

Durante reunião do Conselho de Graduação da Universidade Federal de Uberlândia, estudantes pediam a manutenção do Paaes

Durante a reunião do Conselho Universitário da Universidade Federal de Uberlândia (Consun/UFU) na tarde de ontem, estudantes da rede pública de Uberlândia protestaram em frente à Reitoria da universidade para que o Programa de Ação Afirmativa de Ingresso no Ensino Superior (Paaes) fosse mantido e inalterado. Para a estudante do 3º ano do ensino médio da Escola Estadual Messias Pedreiro Júlia Mascarello, que participou da manifestação, é necessário que alunos da rede pública tenham um benefício maior para ingressar em uma universidade federal. “Nós não temos condições de competir com alunos de escola privada, porque o ensino fundamental e médio público são defasados. O governo deveria rever a base da educação, mas, enquanto isso, os estudantes já em fase de ingresso no ensino superior não podem ficar prejudicados”, afirmou.

Diretor de sindicato diz que extinção do programa foi precipitada

A implantação integral da nova Lei de Cotas na Universidade Federal de Uberlândia (UFU) a partir do ano que vem junto da extinção progressiva do Programa de Ação Afirmativa de Ingresso no Ensino Superior (Paaes) não será positiva, segundo avaliação do educador e diretor do Sindicato das Escolas Particulares do Triângulo Mineiro (Sinepe) Thomé de Freitas Caires.

Para ele, a decisão, que prevê apenas o Sistema de Seleção Unificada (Sisu) moldado à nova lei como processo seletivo, foi desnecessária e precipitada. “O debate deveria ser maior e a lei deveria ser implantada gradativamente no vestibular e no Paaes, como permitiu o governo, para se verificar as consequências sociais”, disse.

Na avaliação do educador, o número de vagas ociosas da universidade e de evasão de alunos poderá aumentar, como consequência futura da decisão.

Comentários (32)

Ao enviar suas informações de registro, você indica que concorda com os Termos do serviço e leu e entendeu a Política de Privacidade do site do Correio de Uberlândia. Só serão liberados comentários cujos autores estejam identificados por nome e sobrenomes e que não contenham expressões chulas e/ou palavras de baixo calão.

 

  1. Raul disse:14/11/12 8:56

    A manifestação dos alunos das escolas públicas tem sido motivadas por um colégio particular por lucrar com o Pré-Paaes, em que os alunos estudam durante a manhã em uma escola pública e a tarde ficam amontoados em tal colégio… Ou seja, para que exista justiça e equidade o PAAES deve ser extinto, pois ficará mais fácil a fiscalização acerca dos alunos que realmente não tem condições de pagar aulas em um colégio particular (a tarde)… Na minha opinião, estão “burlando o sistema”… Provam que concluíram o ensino público… Mas, na verdade, ficam é atrapalhando os alunos que tem como única opção o ensino público e não tem condições financeiras de “bancar” o ensino particular a tarde… Parabéns com louvor pela extinção do PAAES e adesão ao sistema nacional…

    Responder
    • Antonio Augusto dos Santos Ribeiro disse:14/11/12 15:47

      Amigo! Seu comentário foi perfeito! Apoio, confirmo e endosso! É exatamente isso que está acontecendo…

      Responder
    • Rafaela disse:14/11/12 16:58

      Você está completamente errado na sua colocação em que a manifestação foi motivada por colégios de Pré-Paaes. A manifestação foi completamente organizada por ALUNOS DA REDE ESTADUAL DE ENSINO DESSA CIDADE, SEM NENHUM APOIO DE CURSINHO! Procure se informar melhor pra depois dar um parecer.. E só uma informação a acrescentar… o 1º lugar em medicina no PAAES foi conquistado por um aluno que nunca fez nenhum cursinho preparatório e se entrou na universidade para esse curso e com essa colocação, foi por esforço próprio. Não há burlamento do sistema, uma coisa é poder pagar um cursinho preparatório no valor de 120,00 reais, a pagar a mensalidade de uma faculdade que pode custar inumeras vezes mais. Os cursinhos elevam o nível de notas conquistadas no paaes.

      Responder
      • Bruna disse:21/11/12 10:24

        Finalmente o Conselho da UFU tomou uma decisão correta. O sistema do PAAES estava sendo burlado sim. Tinha cursinho na cidade com centenas de alunos matriculados na rede pública e no cursinho ao mesmo tempo, prejudicando os demais da rede publica que não podiam pagar o cursinho e os da rede privada que não podiam particiar do PAAES. Só um idiota não via isso!!!

        Responder
    • fernanda disse:14/12/12 19:15

      Na minha opinião faculdade publica devia ser feita para pobre que não tem condição de pagar faculdade … agora esses filhinhos de papai ,que são podres de ricos .que tem dinheiro para gastar atoa e esbanjar dinheiro para tudo ,quer estudar em faculdade publica !!! tenha dó né ; Agora os pobres que trabalham pra ter o seu sustento tem que ficar se matando para pagar a porra da faculdade …. Esses ricos sem noção divia pagar suas faculdades já que tem tanto dinheiro assim ,
      bando de f d p isso sim !!!

      Responder
  2. Uberlandino disse:14/11/12 9:00

    fica uma pergunta sem resposta. E os alunos que já fizeram a primeira e a segunda etapas do PAAES. Aqueles que se sentirem prejudicados irão procurar a justiça, e no caso, como já existiu um edital garantindo as vagas, dificilmente perderiam essa condição. A UFU estÁ inventando mais uma vez. Ela tem o prazo de 4 anos para se adequar a nova lei e quer colocar o carro na frente dos bois, implantando a mudança em apenas um. Quer ser a primeira a aparecer para o MEC?

    Responder
    • SANDRO M. disse:14/11/12 13:21

      Por favor, leia a reportagem:
      “Mesmo que o Consun aprove a decisão do Congrad, os subprogramas 2011/2014 e 2010/2013 do Paaes serão realizados, com ajustes, para não prejudicar os alunos que já iniciaram o processo avaliativo. “Para ter a segunda e terceira etapa, o programa terá que ser ajustado na perspectiva da lei. ”

      Vamos parar com essa idiotice de querer resolver tudo na justiça….

      Responder
  3. lol disse:14/11/12 10:10

    O correto seria destinar 80% das vagas aos estudantes de escola pública, usando a mesma lógica de 7 anos do PAAES.
    Só assim pra começarem a investir na educação e pararem de empurrar os alunos com a barriga.
    E digo mais! Mínimo de 60% da prova pra poder entrar no curso escolhido.
    Infelizmente o Brasil não tem capacidade de trabalhar no modelo americano…

    Responder
  4. Super disse:14/11/12 10:38

    Fica muito mais barato para UFU
    A UFU nao precisa investir em provas ,Material , divugacao
    Adota o sistema pao e circo , e chama de incompetentes nossos
    Negros e Deficientes empurrando eles porta a dentro da universidade
    por forca da lei . Parabens voltamos a idade da pedra , por um unico motivo
    Dinheiro . E ainda fazem Greves pedindo aumento salarial para servidores e professores . esperam com isto receber apoio da populacao ? aguardem

    Responder
  5. Antonio Augusto dos Santos Ribeiro disse:14/11/12 10:41

    Enquanto o governo federal não investir pesado na melhoria dos ensinos fundamental e médio esses problemas persistiram…

    Responder
  6. Pedro Paulo Valadão disse:14/11/12 10:41

    Acho é pouco, o baixo nível dos alunos do paaes era evidente, sem contar o número de desistências e cursos trancados. Era uma prova anual, com conteúdo especifico, bem diferente do vestibular enem… ridícula.

    Responder
  7. Pedro Paulo Valadão disse:14/11/12 10:46

    o título está errado, não é a ufu que “decide adotar lei”, ela não pode descumprir ordem do stj

    Responder
  8. LEIAM-ME disse:14/11/12 10:46

    OS POBRES QUE SE DANEM!RSRSRSRSRSRS

    Responder
    • jaine disse:14/11/12 13:07

      Isso é sacanagem.

      Responder
    • bla bla disse:17/11/12 0:31

      vc e f…. que tem di tudo e fica so fumando no jambolao tambem filho de papai filho da p

      Responder
  9. Vinicius disse:14/11/12 13:35

    A decisão do STJ previa uma adoção gradativa ao sistema de cotas. A UFU tem autonomia, e infelizmente, a irresponsabilidade, de pular os passos sugeridos pela justiça.

    Responder
  10. Giuliano Pereira disse:14/11/12 13:47

    É impressionante o descaso da gestão de uma universidade que deveria estar reenvidicando a entrada de MELHORES ALUNOS(com mais competência) e não DOS ALUNOS DE ESCOLAS PUBLICAS
    ONDE A MAIORIA NAO SABE NEM INTERPRETAR UMA FRASE. NAO POR CULPA DOS ALUNOS E SIM DA INSTITUICAO QUE OBRIGA OS COLEGIOS PUBLICOS A APROVAR ALUNOS SEM O MENOR CONHECIMENTO
    PARA OS GRAUS SUPERIORES.

    AS UNIVERSIDADES SE BEM GERIDAS, DEVERIA EXIGIR DESTE GOVERNO PARCO DE CONHECIMENTO, QUE SEJAM MELHORADOS OS TIPOS DE AVALIACOES PARA TERMOS ALUNOS DE UNIVERSIDADES CAPACITADOS.
    VEJAM SE ALGUM ALUNO FORMADO EM UNIVERSIDADE BRASILEIRA PODE EXERCER A PROFISSAO EM OUTRO PAÍS QUE SEJA DESENVOLVIDO? NAO SAO ACEITOS POIS NAO TEM O CONHECIMENTO NECESSARIO.
    ME FORMEI NA UFU EM ENGENHARIA E TIVE A MAIOR DECEPCAO DE SABER QUE OS PROFESSORES NAO TEM BASE PARA FORMAR PROFISSIONAIS COM CONHECIMENTO PARA A PRATICA. PROFESSORES TEORICOS QUE
    SOMENTE DECORAM O QUE VEEM EM ALGUM LIVRO.
    ESTE PAIS CONTINUARA E AGORA COM PIORA EXPONENCIAL POIS TEREMOS MAIS INCOMPETENTES NAS UNIVERSIDADES.

    Responder
    • Antonio Augusto dos Santos Ribeiro disse:14/11/12 15:56

      Correto, amigo! É como eu disse anteriormente: Essa situação só seria revertida com investimento pesado nos ensinos fundamental e médio públicos… Porém, conforme a gente vê na história, isso não é interessante para o Governo… Ou seja, quanto mais gente “burra” melhor… Aí eles tentam “tapar o sol com a peneira” com essa política de cotas… Realmente, não resolve a situação: São só paleativos…

      Responder
  11. Mateus disse:14/11/12 14:34

    Putz, como os safados que estudam em escola particular e burlam o sistema (matrícula em escola pública, ações judiciais) para entrar via Paaes vão fazer agora.

    Responder
    • Antonio Augusto dos Santos Ribeiro disse:14/11/12 16:03

      Isso não é verdade! Existem bons ou maus alunos tanto nas escolas públicas quanto particulares…O diferencial é o esforço de cada um. Temos é que lutar pra que haja investimento efetivo por parte do governo na melhoria do ensino público fundamental e médio. Agora isso não é motivo pra que haja desrespeito… Concorda? … Abração pra você…

      Responder
  12. Mateus disse:14/11/12 14:34

    Putz, como os safados que estudam em escola particular e burlam o sistema (matrícula em escola pública, ações judiciais) para entrar via Paaes vão fazer agora ?

    Responder
  13. Matheus disse:14/11/12 20:21

  14. Matheus disse:14/11/12 20:36

  15. Ana Silva disse:15/11/12 13:03

    PAAES,simbolo de burlação da lei:Estuda num período na pública,depois faz cursinho na particular.Isso que é injustiça.Eu nunca usei estas malandragens,nem meu filho,que entrou na Federal pelo vestibular normal como todos na época,e vindo de escola pública,sem cursinho extra.

    Responder
  16. bla bla disse:17/11/12 0:27

    e agora que so filhos de ricos conseguem a entrar na facudade colando e fumando maconha eu trabalho na ufo e falo com propriedade se nao acredita vai ate o jambolão

    Responder
  17. bla bla disse:17/11/12 0:35

    se voces nao sabem cambada de disinformados a ufo tem um orçamento maior do que a cidade de uberaba e nao fazem nada pra o estudante de escola publica ou seja o menos favorecido seus burrosssssssssss……

    Responder
  18. Alvason Fabiano Menhô disse:17/11/12 17:53

    E mais uma vez o debate é sobre o rabo que balança o cão. Ninguém protesta ou faz pressão pela melhoria do ensino público básico e secundário que ofereça real condição do aluno concorrer com aluno da rede privada. O atalho, reserva de vagas, e travestido ou justificado sob o nomes bonitos: justiça social, afirmação social… e esquece-se da verdadeira justiça social: investimento no ensino público básico e secundário.

    Responder
  19. Jacyr Medeiros disse:17/11/12 21:30

    acabem com a reitoria… e mantenham o PAES

    Responder
    • Bruna disse:21/11/12 10:29

      Bom, já que é assim, a UFU devia destinar 100% das vagas para os pobres coitados alunos da rede publica!!! Isso mesmo!!! è só para os de baixa renda, negros, pardos ou indios!!! E a classe média que paga a conta não participa da Festa.

      Responder
  20. Maiorte disse:10/12/12 12:57

    o Paaes nao pode acabaar :(

    Responder
    • hahaha disse:30/12/12 8:56

      ahahahaha disculpa se eu não nasci em berço de OURO NÉ , e não sou filhinha de papai , que fica a bosta do dia todo dormindo dentro de casa enquanto meu pai fica ralando pra me dar roupa e sapato de marca .Rico e tudo igual … os pobres que se fode , pra min isso tudo não passa de um bando de idiota !
      isso tudo não vai mudar em nada na vida de um pobre ,em ves de todos lutar por uma educação melhor , ficam ai brigando pra ver quem é mais inteligente que o outro
      rico cada ves fica mais rico
      e pobre fica mais pobre e burro ok
      por que ninguem se preucupa em melhorar a educação dos bestas dos assalariados !!!!!!!

      VAMOS LUTAR POR EDUCAÇÃO MELHOR .

      Responder
  21. marivalda disse:21/04/13 17:11

    estou ansiosa e esperando que esta escola me chame o mais rapido possivel nao aguento mais ficar sem estudar

    Responder