Assine o CORREIO
menu
publicidade
publicidade

Cidade e Região

Vacinação contra raiva não está prevista

Superintendente regional da Saúde, Daltro Catani, não registra casos há dez anos

Uma campanha de vacinação contra a raiva para cães e gatos em Uberlândia está descartada para o próximo mês, ainda que o Ministério da Saúde conclua em fevereiro a distribuição de 30 milhões de doses de vacina antirrábica que vêm fazendo. A inviabilidade é devido à proximidade da campanha contra a gripe, que começa no mês que vem. Ainda não há previsão para que a vacinação dos animais aconteça nem de quantas doses chegarão à Superintendência Regional de Saúde (SRS), que abrange 18 municípios.

Em 2010, a imunização de cães e gatos foi suspensa no país depois que reações adversas provocaram a morte de alguns animais. No ano passado, apenas os estados onde ainda havia circulação do vírus receberam quantitativo para a realização de campanhas. A SRS espera que o Estado se pronuncie para que uma campanha seja planejada.

Segundo o superintendente, Daltro Catani Filho, não são registrados casos de raiva na região há cerca de dez anos. “Por isso, orientamos que qualquer pessoa que seja atacada por animais lave o ferimento e vá imediatamente a um médico”, afirmou.

O secretário de Vigilância em Saúde Jarbas Barbosa afirmou que
não existe uma campanha nacional de vacinação antirrábica e que, a partir de março, cada Estado deve definir o próprio calendário com base na realidade epidemiológica registrada.

Número de casos caiu 99% em 20 anos

Segundo Jarbas Barbosa, secretário de Vigilância em Saúde, a raiva, que já foi um problema de saúde pública no país, se encontra em declínio acentuado. Há 20 anos as notificações chegavam a quase 200 ante duas em 2011 – ambas no Maranhão. “O problema da transmissão da raiva são aquelas cidades com muitos cães sem um dono. Esse cão nunca é levado para vacinar. A vacinação de animais é uma medida importante, mas nunca é 100% efetiva”, disse.

No caso de animais domésticos, Barbosa diz que é preciso verificar se há algum sinal de agressão como marcas de mordida, além de estar atento a qualquer alteração no comportamento do animal. No caso de suspeita de raiva, a orientação do ministério é levar o animal imediatamente a um centro de controle de zoonoses ou a uma clínica veterinária.

Comentários

Deixe uma resposta


− um = 3

Ao enviar suas informações de registro, você indica que concorda com os Termos do serviço e leu e entendeu a Política de Privacidade do site do Correio de Uberlândia. Só serão liberados comentários cujos autores estejam identificados por nome e sobrenomes e que não contenham expressões chulas e/ou palavras de baixo calão.

Em função do período de campanha eleitoral e em atenção à legislação vigente, o CORREIO de Uberlândia se reserva o direito de não publicar comentários com viés político/eleitoral direta ou indiretamente direcionados aos partidos, agentes políticos, candidatos ou não, tanto na versão impressa quanto na internet.