menu
publicidade
publicidade

Confidencial

Comissão prorrogada

Os trabalhos da sindicância administrativa instaurados na Câmara Municipal de Uberlândia para apurar o caso da presença “fantasma” envolvendo o vereador Helvico Queiroz, o Vico (PTC), serão prorrogados por mais 30 dias. A comissão foi montada no dia 16 de setembro e tinha 45 dias para apresentar uma conclusão, entretanto, o processo terá de ser estendido devido à problemas encontrados nas gravações do circuito interno de segurança interno da Casa, conforme revela memorando interno repassado pelo grupo à presidência do Legislativo. Segundo o documento, o novo prazo será necessário “visto que a análise do equipamento da câmera de segurança solicitado à empresa responsável” ainda não teria sido concluída. Uma análise que foi pedida pelo presidente e pela relatora da comissão, os vereadores Zezinho Mendonça (Pros) e Gláucia da Saúde (PMN), respectivamente, por causa da detecção de um corte nas gravações realizadas durante a sessão do dia 14 de setembro – quando algum desconhecido inseriu a presença digital de Vico na Casa sem que o legislador estivesse no prédio.

16 minutos

A comissão sindicante quer saber, na prática, o que motivou a interrupção das gravações de vídeos na sessão em que ocorreu o caso de presença “fantasma”. As imagens do circuito interno somem, conforme relatos da comissão, por 16 minutos entre 8h e 9h. Isso justamente quando ocorre o registro irregular da presença do vereador. A Polícia Civil (PC), que paralelamente investiga o caso, também está realizando uma perícia nos vídeos.

Emendas à LOA

Os vereadores da Câmara Municipal têm até o dia 9 de dezembro para apresentarem emendas ao projeto da Lei Orçamentária Anual (LOA) 2017, conforme estipulado, ontem, pelo presidente da Casa, vereador Alexandre Nogueira (PSD). A proposição, elaborada pela gestão municipal petista, é tema de maior interesse dos 15 legisladores que apoiaram a eleição do deputado federal Odelmo Leão (PP) ao comando do Executivo a partir do ano que vem. O próprio Leão, que contratou uma consultoria privada para analisar a peça, deve convocar os apoiadores para sugerir emendas com base no estudo.

Eleição mantida

A candidatura à reeleição do vereador Márcio Nobre (PDT) foi mantida pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE). No mês passado, o Ministério Público Eleitoral (MPE) recorreu à corte máxima no intuito de reverter um entendimento do Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG) de que Nobre não está inelegível pelo fato de uma empresa da qual é sócio ter sido condenada por fazer uma doação eleitoral acima dos limites legais em 2014. O ministro Luiz Fux, porém, manteve o entendimento da corte mineira. Curiosamente, quem levou o caso junto à Promotoria ao TSE foi o professor Edilson Graciolli (PCdoB), que é 2º suplente na coligação ao qual Nobre foi reeleito (PDT-PCdoB).

Transição transparente

A equipe de transição que representa o prefeito eleito Odelmo Leão (PP) protocolou, ontem, o primeiro pedido de informação que fez à atual Administração Municipal nos ministérios público Estadual e Federal. A medida foi tomada como forma de manter a transparência do processo, segundo integrantes da comissão. Um dos destaques do pedido, conforme comunicado à imprensa enviado pela assessoria de Leão, é em relação ao estoque de medicamentos das unidades de saúde, bem como a relação dos materiais permanentes e de consumo hospitalar necessários a partir de janeiro.

Curtas
Ontem, a coluna se equivocou ao citar o PT como o partido do deputado federal Odelmo Leão. Na verdade, ele pertence ao PP, legenda ao qual é um dos fundadores.

O colunista que escreve neste espaço entra em férias neste mês, mas retorna para mais um mês de trabalho em dezembro. Enquanto isto, a colega Daniela Nogueira assumirá a responsabilidade de atualizá-los sobre os bastidores da política local. Até a volta…

Comentários

Deixe uma resposta

Ao enviar suas informações de registro, você indica que concorda com os Termos do serviço e leu e entendeu a Política de Privacidade do site do Correio de Uberlândia. Só serão liberados comentários cujos autores estejam identificados por nome e sobrenomes e que não contenham expressões chulas e/ou palavras de baixo calão.

Em função do período de campanha eleitoral e em atenção à legislação vigente, o CORREIO de Uberlândia se reserva o direito de não publicar comentários com viés político/eleitoral direta ou indiretamente direcionados aos partidos, agentes políticos, candidatos ou não, tanto na versão impressa quanto na internet.