menu
publicidade
publicidade

Colunas

Crônica

RSS
25/12/2016

Assim será

Querido Clarimundo Campos, vou parar com a frescura e chamá-lo apenas Clarimundo. Caro Clarimundo, como vão as coisa por ai no mundo das estrelas e das luzes? Tem encontrado muita gente conhecida? Sei que muitos…

18/12/2016

Busca

Blocos barrocos/ carnavais de tapetes coloridos/ lanternas em báculos enfeitados,/ lanternas de vime/fitas e mais fitas além de belas chitas/ no sobe e desce das ruas, fria chuva/ Zé Pereira/num carnaval de pedras /paixão estonteante/…

11/12/2016

Mesa 15

Difícil em poucas linhas descrever a mesa 15. Um universo em miniatura, sempre em expansão. Alguns assíduos são os eternos guardiões do espaço ali reservado. Entorno deles, em variáveis estado de matéria, orbitam algumas centenas…

04/12/2016

Dizer adeus

Era ainda madrugada adentro. De tão frio nem grilos cantavam, pios de coruja haviam se silenciado, corujas/encorujadas se aquietaram na tentativa de se aquecer, nem a fome as faria voar esta noite. A lua exuberante…

27/11/2016

Superlua

Pois então, dias atrás tivemos a “Superlua”. Trem de doido, a tão cantada em versos e prosas, inspiração dos “poetas, seresteiros namorados, correi…”, deu o maior 171 na gente. Não que tenha não ocorrido, as…

20/11/2016

Belo Horizonte

Nunca fui bom de matemática. Tabuada era um suplício. A de dez, de dois, com esforço a de cinco, eu me dava bem. Tinha a de um, mas esta a professora nunca pedia. Detalhe, não…

19/11/2016

Belo Horizonte

Nunca fui bom de matemática. Tabuada era um suplício. A de dez, de dois, com esforço a de cinco, eu me dava bem. Tinha a de um, mas esta a professora nunca pedia. Detalhe, não…

13/11/2016

Vento verde

Moleque nas cercas vivas. Criava ondas verde vegetal imitando um mar vertical. Trazia paz e lembranças de um mundo de água longe. O cheiro de maresia veio fundo enchendo pulmões. A espuma se formando a…

06/11/2016

Boi boi

Passou a noite na macega a campear bezerro sobre ano fujão. Como havia emprenhado muito mato adentro o anoitecer o abraçou sem que percebesse. Podia culpar o horário de verão, mas este, ali, não fazia…

30/10/2016

Bichos de verão

Chega a hora e não tem quem segure. O ciclo da vida raramente pode ser interrompido, quando não há interferência humana. O entardecer veio em pintura. Tantos tentaram reproduzir, um ou outro mestre na genialidade…