menu
publicidade
publicidade

Musicais

Musicais

A janela do quarto se abriu sem aviso, como se houvesse explosão. Pá, e som vindo de dentro, música ganhando os ares: “Vamos fazer dessa noite a noite mais linda do ano”, Otto canta Odair. O vexame já é total. Rebola pra cá, balança a cabeça pra lá. Pensa que é a Tina Turner. Ducha fria, em dois tempos já está pronto pra vida: walkman gigante abraçando as têmporas, óculos escuros, tênis de andar longe. Vai pra rua, campeão, você ganhou esse presente da vida – está apaixonado.

Não é porque estamos na rua que vamos parar de dançar. Um giro numa esquina, jogadinha afrobrasileira com os ombros em outra. O ônibus cheio de menino que passou gritando, festejando a dança pública. Segura esse beijo, rapaziada, coisa mais linda do mundo é um ônibus cheio de adolescente.

Gentilezas mil, na fila da padaria vai deixando um a um os clientes serem atendidos na frente. Vai você, que sua criança tá te esperando. Vai você, que precisa trabalhar. Vai você, que é você, e curto existirem vocês todos. Ah, e dá cá um abraço.

Pra mim, uma água mineral sem gelo, por favor. Beber essa água, beber dessa água como se fosse beija-flor, olhos fechados pra acentuar o paladar. Se brincar, danço com a garrafinha.

Na praça, dar uma corridinha sobre o gramado, os braços abertos, aquele aviãozinho de jogador comemorando gol. Tirar o tênis, beber a terra pelos pés, respirar profundo, uma gratidão infinita. Campeão brasileiro de pensamento exclusivo, é todo devoção: reconstitui cada movimento dos cabelos, do olhar. Recupera cada frase. Deseja respirar a moça que está longe. Respira, porque a imaginação está à altura do tempo.

Uma invertida de ioga, por que não? A cabeça plantada sobre a grama, os pés invadindo o espaço, a terra que vira céu, o céu que vira terra. Pedalar um pouco o espaço vazio. Depois pousar delicadamente sobre o solo, se esticar todo igual neném no berço. E ficar ali parado, um tempão, respirando ofegante.

Comentários

Deixe uma resposta

Ao enviar suas informações de registro, você indica que concorda com os Termos do serviço e leu e entendeu a Política de Privacidade do site do Correio de Uberlândia. Só serão liberados comentários cujos autores estejam identificados por nome e sobrenomes e que não contenham expressões chulas e/ou palavras de baixo calão.

Em função do período de campanha eleitoral e em atenção à legislação vigente, o CORREIO de Uberlândia se reserva o direito de não publicar comentários com viés político/eleitoral direta ou indiretamente direcionados aos partidos, agentes políticos, candidatos ou não, tanto na versão impressa quanto na internet.