menu
publicidade
publicidade

Musicais

Paulinho da Viola

Paulo César Batista de Farias, o Paulinho da Viola é um dos maiores nomes da música popular brasileira de todos os tempos. Filho de César Farias, violonista do grupo de choro Época de Ouro, trouxe o gosto pela música do berço, presenciando durante sua infância rodas com músicos da primeira linha da MPB. Consegue ser, ao mesmo tempo, instrumentista, compositor e poeta.

Paulinho nasceu em Botafogo e desde muito criança, devido às atividades musicais do pai, esteve cercado por grandes nomes e artistas consagrados no mundo do samba.

Uma característica marcante de Paulinho da Viola é sua capacidade de inovar conservando entretanto traços de história e ancestralidade poética e melódica. Seus sambas e choros são extremamente harmônicos.

Paulinho tem por costume gravar em seus discos músicas de nomes, às vezes esquecidos no samba, como Silas de Oliveira e Wilson Batista, assim como de novos compositores. Seu convite para que o grupo Época de Ouro participasse do show “Sarau”, na década de 70, transformou o Choro novamente em mania nacional.

Nesse passo, sempre tomou iniciativas para resgatar o melhor da música brasileira: fundou uma escola de samba não competitiva e, hoje em dia, promove o Chorinho em uma das casas noturnas do Rio de Janeiro.

Sua música fala do dia a dia das pessoas com uma poesia toda especial. Autor de sucessos como: “Foi um rio que passou em minha vida”, “Sinal fechado”, “Argumento”, “Dança da solidão”, “Pecado capital”, “Nervos de aço”, “Quando bate uma saudade”, “Bebadosamba”, “Não tenho lágrimas” entre outros tantos, é um dos maiores e mais prestigiados autores do Brasil.

Gravou músicas falando de ecologia antes de o assunto virar moda. É um dos poucos artistas que fazem uma elegia da negritude brasileira. Seus sambas tornaram-se hinos de escolas de Samba consagradas. Paulinho da Viola é um artista único: sua elegância se deve não apenas a seu extraordinário talento e sofisticação musical, como também à sua postura e caráter.

Falei de Paulinho da Viola.

Salve a cultura popular!

Comentários

Deixe uma resposta

Ao enviar suas informações de registro, você indica que concorda com os Termos do serviço e leu e entendeu a Política de Privacidade do site do Correio de Uberlândia. Só serão liberados comentários cujos autores estejam identificados por nome e sobrenomes e que não contenham expressões chulas e/ou palavras de baixo calão.

Em função do período de campanha eleitoral e em atenção à legislação vigente, o CORREIO de Uberlândia se reserva o direito de não publicar comentários com viés político/eleitoral direta ou indiretamente direcionados aos partidos, agentes políticos, candidatos ou não, tanto na versão impressa quanto na internet.