menu
publicidade
publicidade

Opinião do Leitor

O varejo em 2016

O lamentável estágio recessivo ao qual a economia brasileira foi colocada por seus governantes se manifesta nas mais variáveis facetas, a discussão que monopoliza o debate desde 2008 diz respeito ao possível processo de desindustrialização da economia e reprimarização da pauta exportadora, entretanto o ambiente macroeconômico contaminou de forma inquestionável a partir de 2015 também o varejo.

O Varejo é um dos principais setores da economia brasileira, o segundo que mais gera empregos formais com aproximadamente 10 milhões de trabalhadores segundo informações do CAGED, o que corresponde a 20% do emprego formal no País, em 2015 apresentou resultados preocupantes em praticamente todos os seguimentos apresentados na classificação da PMC IBGE.

Quando considerado o varejo restrito a queda acumulada foi de 4,3% frente a igual período de 2014, a queda foi puxada, principalmente, pelos setores de móveis e eletrodomésticos – 14%, seguida por livros e artigos de papelaria – 10,9% e pelo setor de vestuário e calçados com – 8,7%. Ao analisar o comportamento do varejo ampliado (que inclui os setores de automóveis e motocicletas, além de materiais de construção) o panorama é ainda mais dramático, a queda total foi de 8,6%, dada a crise de ambos os setores que apresentaram expressiva queda de 17,8% e 8,4%, respectivamente.

Em economia bem como em medicina é preciso ser assertivo quanto ao diagnóstico para não se adotar terapias que além de não solucionar, pioram o quadro clínico, portanto, está claro que o cenário tratado possui além das causas clássicas, redução da renda graças ao desemprego e inflação, é preciso para além, ter em mente o modelo de desenvolvimento que vigorou no Brasil a partir de 2007.

Trata-se, dessa forma, de um modelo pautado na elevação do consumo via incentivos fiscais e elevação do crédito, uma ideia um pouco heterodoxa, alternativa de que ao incentivar a demanda com mecanismos fiscais (desonerando IPI de eletrodomésticos e veículos) e monetários subsidiando juros para compra da casa da própria, isto estimularia setores “estratégicos” para a economia doméstica o que protegeria o emprego via Demanda Efetiva.

O resultado não poderia ter sido outro, inflação, desemprego, problemas nas contas públicas e externas, desvalorização cambial na macroeconomia, e uma crise setorial somado à estagnação da produtividade sem precedentes na microeconomia, não por acaso os setores que apresentaram os piores resultados na PMC em 2015, foram exatamente os que cresceram de forma artificial entre 2007 – 13.

A história econômica do país, sobretudo recente, nos ensina que consumidores e firmas respondem a incentivos e que mudanças na dotação de equilíbrio walrasiano podem trazer sérias consequências, uma vez que antecipam intenções de consumo e investimento no horizonte de tempo, e por isso os mecanismos de retomada do crescimento nas vendas é mais dramático quanto maiores forem os incentivos concedidos no período anterior.

O cenário em médio prazo para empresas de automóveis, construção civil, móveis e eletrodomésticos em geral será muito ruim, isto por que os níveis de consumo passado estão saturados e a capacidade ociosa existente impede novos investimentos. Os demais setores como de farmácia, supermercados, vestiário e calçados o cenário será apenas ruim, influenciados por um cenário macroeconômico que deve continuar piorando ao longo de 2016.

Benito Salomão
Empresário, escritor e economista vinculado ao PPGE UFU

Comentários

Deixe uma resposta

Ao enviar suas informações de registro, você indica que concorda com os Termos do serviço e leu e entendeu a Política de Privacidade do site do Correio de Uberlândia. Só serão liberados comentários cujos autores estejam identificados por nome e sobrenomes e que não contenham expressões chulas e/ou palavras de baixo calão.

Em função do período de campanha eleitoral e em atenção à legislação vigente, o CORREIO de Uberlândia se reserva o direito de não publicar comentários com viés político/eleitoral direta ou indiretamente direcionados aos partidos, agentes políticos, candidatos ou não, tanto na versão impressa quanto na internet.