menu
publicidade
publicidade

Ponto de Vista

Eu tenho medo

“O sol da noite agora está nascendo. Alguma coisa está acontecendo. Não dá no rádio e nem está nas bancas de jornais” (Raul Seixas)

Em 2002, quando da iminência da eleição de Lula para o primeiro mandato como Presidente da República, a atriz global que atende pela alcunha de “Namoradinha do Brasil” ganhou notoriedade vociferando em propaganda eleitoral tucana “Eu tenho medo!”; referindo-se, evidentemente, à provável condução do operário nordestino sindicalista ao posto político mais alto do País.

Quase quinze anos depois, não pelos mesmos ingênuos motivos burgueses, faço coro à afirmação de Regina Duarte. Eu tenho medo. Todavia, não é o “comunismo devorador de criancinhas” ou o petista barbudo e aguerrido que me aterroriza.

Tenho medo é do capitalismo avassalador que se alimenta de crises econômicas, da produção de desigualdades, da meritocracia, da ideologia dominante.  Tenho medo de uma “elite branca” que simplesmente não suporta estar ao lado de pobres, negros e trabalhadores nas universidades e aeroportos. Tenho medo do processo de judicialização do sistema político brasileiro que coloca em risco o ordenamento institucional da Nação e da politização da justiça que espetaculariza ações isoladas de carreiristas oportunistas.

Tenho medo do processo de criminalização dos partidos de esquerda, da marginalização dos movimentos sociais, da desqualificação dos programas governamentais de assistência, da hostilidade em relação aos grupos de defesa dos direitos humanos, da militarização de sistemas educacionais, da divisão da nação (…).

Tenho medo da corrupção que assola todo o sistema político brasileiro, da promiscuidade pemedebista, do desejo tucano de poder pelo poder e da extrema direita neofundamentalista. Tenho medo do surto conservador que se alastra vorazmente por todas as esferas sociais.  Tenho medo do fascismo da direita elitista e do pseudo-apartidarismo que, a bem da verdade, ofusca posições políticas muito bem definidas.

Espanta-me a ausência de reflexão na veiculação de conteúdos escusos e de procedência duvidosa na imprensa e nas redes sociais. Assusta-me a descriminalização da intolerância, do preconceito, do racismo, do machismo, da homofobia que, aos poucos, revestem-se de normalidade ao adquirirem status de mera opinião.

Amedrontam-me as pedaladas políticas, os subterfúgios antidemocráticos, as agressões aos direitos civis individuais, as ações típicas aos estados de exceção que seconvertem em hábito e, paulatinamente, constroem os ambientes favoráveis aos golpes de Estado, às ditaduras e ao totalitarismo.

Pelas sombras do retrocesso e do autoritarismo, temo pelo risco que corre a paz social, a normalidade institucional, a soberania constitucional e o Estado Democrático de Direito. O que está em jogo é a República. A questão é a democracia.

Mauro Sérgio Santos
Mestre em Filosofia Ética e Política (UFU) e membro da Academia de Letras e Artes de Araguari – ALAA

Comentários

7 Responses to “Eu tenho medo”

  1. Você só pode ser um ignorante político para falar tanta bobagem em um único texto. MEDO da apropriação dos bens do Estado por um grupo politico corruPTo que domina o País você não tem?????

  2. Ridículo este texto. Medo e viver num sistema de organização criminosa pelo poder. Medo de tantas mentiras e enganos. Este sistema já provou que não funciona em nenhum lugar do mundo, há só na América do Sul.

  3. Eu tenho medo é que o Brasil vire uma Cuba , Venezuela, Coreia do Norte, Bolívia , e tenho medo que meu patrimônio seja confiscado para “os sem terra” , ou os “sem Teto” , meus impostos virem Portos em Cuba , estradas na Bolívia (BR DA COCA) , refinarias também na Bolívia , pontes na África , e por ai a fora , e aqui no Brasil … os impostos cada vez maior para cuidar dos “amigos”… carro 45% , remédios 35% …entre outros … Araguari não merece ……..

  4. Lendo os comentários,vejo que infelizmente o autor tem toda a razão,e apropriadamente este texto cutucou quem não se conforma com a inclusão social.Só querem ter,e ter,e ter ,e os outros que sejam escravos sempre,com os salários de fome que gostam de pagar para seus empregados! Jornal correio de Uberlândia,publiquem meu comentário,por favor.

Deixe uma resposta

Ao enviar suas informações de registro, você indica que concorda com os Termos do serviço e leu e entendeu a Política de Privacidade do site do Correio de Uberlândia. Só serão liberados comentários cujos autores estejam identificados por nome e sobrenomes e que não contenham expressões chulas e/ou palavras de baixo calão.

Em função do período de campanha eleitoral e em atenção à legislação vigente, o CORREIO de Uberlândia se reserva o direito de não publicar comentários com viés político/eleitoral direta ou indiretamente direcionados aos partidos, agentes políticos, candidatos ou não, tanto na versão impressa quanto na internet.