Assine o CORREIO
menu
publicidade
publicidade

Entretenimento

Anita Amizzo se identifica com personagens intensos

Atriz interpreta a personagem Bruna em "Rebelde"

Anita Amizzo sempre teve voracidade por papéis dramáticos. Por isso, ponderou bastante antes de aceitar o convite para interpretar a séria Bruna, professora de Educação Física na novela ”teen” ”Rebelde”, da Record. ”A minha personagem é muito do bem e sempre tenta disciplinar os alunos. Mas eu sempre preferi trabalhos mais densos e com maior carga emocional”, explica a atriz de ascendência uruguaia. Só que Anita mudou sua forma de encarar a trama jovem ao longo do processo de gravação. ”Nem imaginava a seriedade e a riqueza desse trabalho. Não acredito que o Teatro seja a única e verdadeira arte. Admiro e respeito muito a televisão”, disse.

As duras experiências pessoais foram decisivas para que Anita se firmasse no gênero dramático. A atriz, que perdeu o pai e o irmão em um curto espaço de tempo aos 18 anos, considera sua bagagem emocional mais completa em relação aos outros profissionais. ”Essas perdas fazem você mergulhar dentro de um canal desconhecido da sua alma. E as pessoas que não passaram por esse drama não conhecem essa vivência”, afirma. Formada em Teatro pela Casa das Artes de Laranjeiras, a CAL, no Rio de Janeiro, Anita vê sua identificação com o lado dramático um ponto ao seu favor na hora de ser selecionada para os trabalhos. ”Eu sempre consegui os melhores papéis porque era uma atriz que mergulhava no drama. E isso sempre chamou a atenção dos meus diretores e professores”, afirmou. Além disso, Anita assume que tem alguma semelhança física com a atriz Juliana Paes. Mas garante que, hoje, lida muito bem com essa característica. ”No começo achei que pudesse me prejudicar, mas agora até me sinto orgulhosa. Mas a Juliana tem características artísticas muito diferentes da minha”, disse.

Apesar de inicialmente entrar em conflito com a leve temática da trama de Margareth Boury, a intensa rotina de gravação em externas, cenas ambientadas fora dos estúdios, foi sua maior dificuldade. ”Você precisa estar muito focada naquele momento e ignorar todos os barulhos possíveis e imagináveis ao seu redor” afirmou a atriz, que procurou construir a personagem baseada em suas lembranças escolares.

Natural de Campo Grande, no Mato Grosso do Sul, Anita mudou-se para o Rio de Janeiro em busca de espaço na tevê. Afinal, em sua cidade há um limitado mercado artístico, além de que não possuía nenhum contato no meio. ”A cidade é pequena e as pessoas não têm o hábito de ir ao teatro”, disse. Ao longo de sua carreira na capital fluminense, Anita fez diversas participações em programas da Globo, como ”Pé na Jaca” e ”Malhação”, e tentou ingressar no cinema. Em 2008, após ficar entre as cinco finalistas para interpretar a protagonista Bruna Surfistinha do filme ”O Doce Veneno do Escorpião”, a atriz não aguentou a decepção em mais uma escalação frustrada e decidiu voltar para sua cidade natal. ”Foi um processo de muita luta e desgaste. Eu derrubei 2500 atrizes e não fui selecionada. Fiquei muito para baixo e resolvi voltar a dar aulas de teatro na minha cidade”, afirmou a Anita, que nesse período escreveu e dirigiu duas peças em Campo Grande. No tempo em que permaneceu na capital sul-mato-grossense, a atriz fez parte da companhia de teatro Mercado Cênico e viajou o país com a peça ”Entre Quatro Paredes”, de Jean-Paul Sartre, até ser chamada para integrar o elenco de ”Rebelde”, no começo do ano passado.

Filha de uma bailarina de dança árabe, desde pequena recebeu uma influência muito forte da mãe. ”Eu convivia com aquele estilo de dança direto. Voluntariamente fui me encantando e me especializando. Mas passo também pelo jazz, tango e flamenco”, afirmou. Atualmente, Anita mantém o foco na carreira de atriz. Mas não deixa de considerar a dança um ótimo exercício físico e psicológico. ”Quem dança não precisa fazer muita coisa. Porque além de fazer bem para o corpo, faz bem para a alma”, disse Anita, que estreou na tevê como dançarina do ventre na novela ”O Clone”, de 2001, na Globo.

Comentários

Deixe uma resposta


− 6 = três

Ao enviar suas informações de registro, você indica que concorda com os Termos do serviço e leu e entendeu a Política de Privacidade do site do Correio de Uberlândia. Só serão liberados comentários cujos autores estejam identificados por nome e sobrenomes e que não contenham expressões chulas e/ou palavras de baixo calão.

Em função do período de campanha eleitoral e em atenção à legislação vigente, o CORREIO de Uberlândia se reserva o direito de não publicar comentários com viés político/eleitoral direta ou indiretamente direcionados aos partidos, agentes políticos, candidatos ou não, tanto na versão impressa quanto na internet.