Assine o CORREIO
menu
publicidade
publicidade

Entretenimento

Em novo trabalho, Jota Quest reencontra o groove com “Funky funky boom boom”

O novo trabalho do Jota Quest é o melhor do que a banda mineira sempre soube fazer. Fundada em Belo Horizonte, o grupo lançou neste ano o CD “Funky funky boom boom” (Sony Music, R$ 24,90), que traz o som de um Jota Quest que ganhou os fãs, há 17 anos, com muito soul, rock, pop e black music.

Marco Túlio, PC, Márcio Buzelin, Paulinho Fonseca e Rogério Flausino voltam a beber na fonte da black music em novo disco (Ricardo Muniz / Divulgação)

Marco Túlio, PC, Márcio Buzelin, Paulinho Fonseca e Rogério Flausino voltam a beber na fonte da black music em novo disco (Ricardo Muniz / Divulgação)

Para gravarem as 14 canções inéditas do sétimo álbum de estúdio do grupo, o baixista Paulo Roberto Diniz Júnior (o PJ), o baterista Paulinho Fonseca, o guitarrista Marco Túlio Lara, o tecladista Márcio Buzelin e o vocalista Rogério Flausino contaram com a produção do norte-americano Jerry Barnes e a participação do guitarrista e produtor Nile Rodgers.

Barnes é mundialmente conhecido pelos trabalhos com Chic, Aretha Franklin, Stevie Wonder, entre outros expoentes da disco, funk e samba-funk. Enquanto Rodgers já gravou com Sisters Sledge, Madonna, David Bowie, Duran Duran, INXS e, mais recentemente, com o duo Daft Punk.

Gravado entre março e agosto deste ano, no estúdio Minério de Ferro, na capital mineira, “Funky funky boom boom” leva o apelido de “FFBB” e encerra um hiato de cinco anos sem um álbum de inéditas. O mais recente até então era “La Plata” (2008).

RETORNO AO GROOVE

Em entrevista ao CORREIO de Uberlândia, o baixista PJ afirmou que o velho Jota Quest está de volta com o “groove” como fio condutor da mistura de black music, pop e rock. Os músicos mineiros são fãs da banda Chic, que reunia, nos anos 70, o guitarrista Nile Rodgers, o baixista Bernard Edwards e o baterista Tony Thompson.

Diana Ross, Donna Summer, ABBA, Bee Gees e As Frenéticas são apenas alguns dos artistas que foram influenciados por Rodgers.

Segundo PJ, o encontro com o mito da disco aconteceu em 2011, quando os mineiros e o norte-americano se apresentaram num show do Chic, em São Paulo. “Esse show de 2011 e a participação do guitarrista no novo CD marcam o amadurecimento do Jota. Os hits do Jota são pop, mas uma pessoa mais atenta vai perceber que 70% da nossa produção é voltada à black music e se referencia no trabalho de Rodgers”, disse o baixista.

Para o ano que vem, PJ espera contar com a participação de Rodgers em alguns shows da turnê que o Jota Quest vai fazer de divulgação de “Funky funky boom boom”.

FFBB EM PARTES

A pin-up sensual da capa do novo CD do Jota Quest é, na verdade, a tela “Martini miss”, de Mel Ramos, artista que representa a pop-arte norte-americana, dos anos 60 e 70. Ilustração bem colocada para um álbum que pretende resgatar sonoridades da época, como a black music e a disco.

“Funky funky boom boom” pegou a estrada com “Mandou bem” nas rádios brasileiras. Segundo o baixista PJ, a banda pode dar continuidade à onda disco, com faixas como “Ela é do Rio”, “Entre sem bater” ou “Imperfeito”. Ou pegar um caminho mais brasileiro, com as canções “JQ convidou” e “É de coração”. Uma terceira via é o pop de “Waiting for you”, “Um tempo de paz”, “Reggae town” ou “Pretty baby”.

“‘Mandou bem’ estreou em 6º lugar nacional, o que foi ótimo. Agora vamos deixar o som rolar e ver o que a galera vai eleger”, disse PJ.

A TURNÊ QUE NUNCA ACABA

De acordo com o baixista PJ, a banda Jota Quest, com 17 anos de estrada, gosta de gravar em estúdio, mas prefere muito mais estar no palco. “Ninguém da banda fica com aquela cara ‘que vontade de ir pra casa’, quando está em cima de um palco. Por isso, é boa essa sensação de estar numa turnê que nunca acaba”, afirmou PJ.

A turnê do CD “Funky funky boom boom” só começará mesmo em meados do primeiro semestre de 2014, mas, de acordo com o músico, até lá a banda fará o que chamam de ensaios abertos. “São shows especiais, em lugares menores, para pegarmos o jeito das músicas e, ao mesmo tempo, celebrar a chegada do álbum com a galera”, disse PJ.

Comentários

Uma resposta para “Em novo trabalho, Jota Quest reencontra o groove com “Funky funky boom boom””

Deixe uma resposta


2 + = oito

Ao enviar suas informações de registro, você indica que concorda com os Termos do serviço e leu e entendeu a Política de Privacidade do site do Correio de Uberlândia. Só serão liberados comentários cujos autores estejam identificados por nome e sobrenomes e que não contenham expressões chulas e/ou palavras de baixo calão.

Em função do período de campanha eleitoral e em atenção à legislação vigente, o CORREIO de Uberlândia se reserva o direito de não publicar comentários com viés político/eleitoral direta ou indiretamente direcionados aos partidos, agentes políticos, candidatos ou não, tanto na versão impressa quanto na internet.