Assine o CORREIO
menu
publicidade
publicidade

Esportes

Jogos Olímpicos de Inverno começam na cidade de Sochi, na Rússia

Começam hoje (7), na cidade de Sochi, no Sudeste da Rússia, os Jogos Olímpicos de Inverno de 2014. Nesta sexta-feira, a bandeira olímpica será hasteada e a tocha acesa para marcar oficialmente o início dos jogos, que irão até o dia 23 de fevereiro. O revezamento da tocha olímpica começou em Moscou em outubro e já passou de Kaliningrado, enclave russo às margens do Mar Báltico, até Vladivostok, no extremo Leste do país. A tocha passou pelas capitais das 83 regiões da Rússia, em 2,9 mil cidades no revezamento que durou 123 dias. Cerca de 14 mil pessoas carregaram a tocha pelo percurso de mais de 65 mil quilômetros, que a levou ao Polo Norte, às margens do Lago Baikal.

O curling é um dos esporte disputados na competição (Foto: Divulgação)

O curling é um dos esporte disputados na competição (Foto: Divulgação)

Detalhes sobre a cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos de Inverno foram mantidos em segredo pelos organizadores. Uma das maiores curiosidades é em relação a quem irá acender a tocha olímpica. As especulações apontam para grandes atletas soviéticos, como a patinadora Irina Rodnina ou os jogadores de hóquei Vladislav Tretyak e Vyacheslav Fetisov. De acordo com a tradição, os times olímpicos percorrerão o estádio no começo da cerimônia. A bandeira russa será carregada pelo condutor de bobsled (um tipo de trenó) Alexander Zubkov. A primeira pessoa a entrar no estádio será o esquiador grego, Panagiota Tsakiri, com a bandeira da Grécia; seguido pelos demais países de acordo com a ordem alfabética em francês.

No total, 88 times irão competir em Sochi, um recorde para os Jogos Olímpicos de Inverno, que terá a estreia de competidores de países em que tradicionalmente não há pratica de esportes de inverno, como Timor Leste, Dominica, Zimbábue, Malta, Paraguai, Togo e Tonga. Serão mais de 3 mil atletas, 3 mil membros de delegações de 88 países a participar.

A partir do dia 7 de março, até o dia 16, outros 700 atletas e 700 membros de delegações de mais de 40 países estarão na cidade para os Jogos Paralímpicos de Inverno. São esperados mais de 60 chefes de Estado e de governo na abertura dos jogos e nos eventos em geral.

Em relação às competições, serão 97 séries de medalhas em 15 esportes: biatlon, curling, patinação, esqui, trenó, hóquei, entre outras variedades dessas modalidades. Para receber os jogos de inverno, foram construídas 11 novas instalações para o evento, que serão usadas posteriormente para impulsionar o turismo na cidade.

Depois dos jogos, Sochi será uma cidade-resort ao longo de todo o ano – com verões quentes e invernos amenos, para os parâmetros da Rússia. Essa é a segunda vez que a Rússia recebe jogos olímpicos. A primeira vez foi em 1980, quando sediou as Olimpíadas de Moscou.

A segurança na cidade russa foi reforçada desde o final do ano passado, especialmente depois de atentados terem deixado mais de 30 pessoas mortas. As autoridades passaram a controlar o acesso a Sochi, que tem cerca de 350 mil habitantes. Veículos de fora da cidade são impedidos de entrar e cerca de 37 mil policias e membros do Exército estão mobilizados. Essas medidas de segurança valerão até 23 de março, quando terminam os jogos paralímpicos. Hoje, o presidente norte-americano, Barack Obama, disse que a Rússia enfrenta o “enorme desafio” de evitar qualquer atentado durante os evento, que é o maior organizado pelo país desde o fim da União Soviética, em 1991.

* Com informações da Itar Tass

Comentários

Deixe uma resposta


2 + sete =

Ao enviar suas informações de registro, você indica que concorda com os Termos do serviço e leu e entendeu a Política de Privacidade do site do Correio de Uberlândia. Só serão liberados comentários cujos autores estejam identificados por nome e sobrenomes e que não contenham expressões chulas e/ou palavras de baixo calão.

Em função do período de campanha eleitoral e em atenção à legislação vigente, o CORREIO de Uberlândia se reserva o direito de não publicar comentários com viés político/eleitoral direta ou indiretamente direcionados aos partidos, agentes políticos, candidatos ou não, tanto na versão impressa quanto na internet.