Assine o CORREIO
menu
publicidade
publicidade

Veículos

Audi renova o A4 sem perder a linha

A4 Ambiente chega ao mercado brasileiro por R$ 149,7 mil, mais caro que rivais, mas sem nenhum “depenamento”

De uns tempos para cá, as ruas brasileiras têm sido invadidas por modelos que, apesar de estamparem no capô uma marca de luxo, internamente ficam aquém das aparências. São versões que passam por um processo de “depenamento” – perdem equipamentos, itens de conforto e materiais de acabamento mais requintados para chegar a um preço mais palatável.

A intenção é caber no bolso da classe média mais abastada e ganhar volume. Modelos de entrada de Mercedes-Benz e BMW, por exemplo, têm estas características. A Audi preferiu ficar fora dessa briga.

A estratégia da marca, reafirmada com a chegada do sedã A4 renovado, é manter o requinte e preservar uma imagem premium. Por isso, o A4 mais barato é bem mais caro que os rivais. Ele sai a R$ 149.700 contra aproximadamente R$ 135 mil da Classe C180 e R$ 102 mil do BMW 318i – que aposta mais fortemente nas versões menos equipadas e está em fim de geração.

Por esses valores, os modelos dessas marcas trazem itens obrigatórios em sedãs médios de marcas comuns, como ar automático, trio, seis airbags, sistema keyless, controle de estabilidade e tração, controle de cruzeiro e faróis bixênon. Só que o recheio do sedã da Audi inclui os itens capazes de confirmar a condição de modelo de luxo: acabamento em couro, bancos dianteiros com ajustes elétricos, teto solar, retrovisor eletrocrômico, rodas de 17 polegadas e sensores de obstáculos traseiros, luz e de chuva.

O único opcional é o sistema de navegação, que é integrado ao MMI de série. Pelo GPS cheio de bossas, como 20 Gb de memória para música e 10 mil pontos de interesse, paga-se mais R$ 10.350.

Esse A4 corresponde à segunda metade da oitava geração – considerando o A80 como a primeira – e ele incorporou alguns itens para assinalar a nova fase. Visualmente, a diferença mais marcante fica na parte das luzes. Na frente, ganhou leds contínuos e atrás uma nova distribuição das luzes.

O capô ganhou um corte mais reto na linha dos faróis e a grade trapezoidal teve as arestas superiores aparadas, o que deixou o conjunto ótico mais pontudo. O para-choque recebeu um espoiler mais acentuado e os faróis de neblina agora são retangulares e os compartimentos deles ficaram maiores e também pontudos. O escapamento agora passa a ter sempre saída dupla.

Mecânica

Na parte mecânica, o A4 recebeu alguns melhoramentos, como recalibragem de amortecedores e da suspensão traseira e o sistema de direção eletromecânica Servotronic. Como resultado das mudanças nos apoios e nos braços da suspensão traseira, o A4 chegou a ganhar 1 cm na distância entre-eixos, apesar de não ter sofrido modificações no chassi.

Já o Servotronic, além de aliviar o trabalho do motor, é capaz de mudar a relação entre o ângulo da direção e o esterçamento da roda de acordo com a velocidade. Quando se está mais devagar, como em manobras ou ao dobrar uma esquina na cidade, é preciso girar menos o volante para obter um determinado ângulo de esterçamento. Em situações de estradas, em ritmo mais rápido, a relação é menos direta, o que suaviza as reações aos movimentos da direção.

Modelo é empurrado por um 2.0 TFSI de 180 cv

Motor é um 2.0 TFSI (turbo) com 180cv e câmbio Multitronic

Apesar de o trem de força do modelo não exibir qualquer evolução, o A4 apresenta números superiores aos dos rivais. O motor 2.0 TFSI – turbo com injeção direta de combustível – tem 180 cv e é gerenciado pelo câmbio Multitronic – designação da Audi para sua transmissão continuamente variável com modo manual de oito marchas pré-estabelecidas.

O BMW 318i oferece apenas 136 cv e o Mercedes C180 tem 156 cv e são gerenciados por câmbios de seis e sete marchas com modo manual sequencial. A vantagem dos rivais é que eles têm tração traseira, enquanto o motor, nesta versão, aciona as rodas dianteiras. As versões superiores, que chegam nos próximos meses, Ambition e S4, terão a tração integral Quattro.

A introdução de novos recursos eletrônicos ao modelo mais básico reforça o vínculo da marca de luxo do Grupo Volkswagen com a imagem de requinte e refinamento tecnológico. Esta estratégia responde, na verdade, a uma necessidade, já que é a de menor tradição que a das rivais diretas.

Mas a Audi paga, no mercado, o preço dessa estratégia. A expectativa de vender em um ano 1.900 unidades do A4 representa 10% a mais que em 2011. Mas é quase metade do que a Série 3 da BMW vendeu no ano passado – foram 3.441 veículos – e 25% do que a Mercedes Classe C emplacou – 6.838 carros. Pelo menos no Brasil, mesmo em carros premium, preço ainda é o maior diferencial.

Agressividade é dominada pelo câmbio CVT Multitronic

O normal é o motor reagir à aceleração com o aumento de giros. Em um veículo com câmbio CVT, como o A4 Ambiente, a pressão que o motorista exerce no acelerador se reflete no ponteiro do velocímetro, mas não altera muito o tacômetro.

Há dois jeitos para o motor se fazer ouvir: chegar a velocidades absurdas – no caso desse Audi, lá pelos 180 km/h – ou recorrer às falsas marchas, criadas pela montadora para alimentar a sensação de esportividade em condições razoavelmente civilizadas. O CVT Multitronic se faz sentir também nas arrancadas, quando fica evidente uma certa “patinação”. Depois de algumas repetições na operação, porém, o incômodo se esvazia.

O A4 não nasceu mesmo para oferecer grande agressividade. Inclusive porque os 180 cv do motor arrastam quase uma tonelada e meia e são despejados apenas nas rodas da frente. Não é esta a vocação do modelo. Tanto que este mesmo propulsor fornece 211cv na versão imediatamente superior Ambition, que tem tração integral.

A condução mais esportiva é até possível, mas o próprio carro não instiga. De qualquer forma, o sedã conta de recursos que ampliam a margem de manobras, como a direção elétrica com relação variável entre o volante e o esterçamento das rodas. Ou mesmo o diferencial dianteiro com deslizamento limitado. A vocação natural desse A4 é mesmo o uso mais comportado. Para isso ele tem excelentes recursos.

O interior não chega a ter um acabamento primoroso, mas é bem cuidado e o revestimento alterna materiais com algum requinte e outros bem honestos. Os bancos mais parecem poltronas, de tão encorpados e confortáveis. E também têm uma excelente ergonomia: seguram bem o corpo nas curvas e dão bom suporte para as costas.

Os comandos ficam nos locais tradicionais e o sistema de entretenimento MMI é facílimo de manejar. Com ele se pode controlar todos os recursos do carro: ar, som, telefonia, navegação e configurações. O espaço interno é uma boa qualidade do A4. O entre-eixos de 2,81 metros é mais que suficiente para que quatro passageiros tenham margem para se espalharem. O silêncio no habitáculo é outra característica que chama a atenção. Mas este isolamento acústico é francamente ajudado pela serenidade do trem de força.

Ficha Técnica

Audi A4 Ambiente 2.0 TFSI

Motor: A gasolina, dianteiro, transversal, 1.984 cm³, quatro cilindros em linha, turbo, quatro válvulas por cilindro e sistema de abertura variável de válvulas. Injeção direta e acelerador eletrônico

Transmissão: Câmbio CVT com oito marchas simuladas à frente e uma a ré. Tração dianteira. Oferece controle de tração

Potência máxima: 180 cv entre 4 mil e 6 mil rpm

Aceleração de 0 a 100 km/h: 8,2 segundos

Velocidade máxima: 226 km/h

Torque máximo: 32,6 kgfm entre 1.500 e 3.900 rpm

Diâmetro e curso: 82,5 mm X 92,8 mm. Taxa de compressão: 9,6:1

Suspensão: Dianteira independente em alumínio do tipo Multilink com cinco braços e amortecedores a gás. Traseira do tipo trapezoidal com quatro pontos de apoio e amortecedores a gás. Barras estabilizadoras na frente e atrás. Oferece controle eletrônico de estabilidade

Pneus: 225/50 R17

Freios: Discos ventilados na frente e sólidos atrás. ABS, EBD, assistente de frenagem de emergência e controle de frenagem em curvas

Carroceria: Sedã em monobloco, com quatro portas e cinco lugares. Com 4,70 metros de comprimento, 1,82 m de largura, 1,42 m de altura e 2,80 m de distância entre-eixos. Airbags frontais, laterais, para os joelhos dos ocupantes dianteiros e do tipo cortina

Peso: 1.465 kg

Capacidade do porta-malas: 480 litros

Tanque de combustível: 65 litros

Produção: Ingolstadt, Alemanha

Lançamento mundial: 2008

Lançamento no Brasil: 2008 / Reestilização: 2012

Itens de série: Ar-condicionado automático, direção elétrica, trio elétrico, computador de bordo, volante multifuncional, teto solar, rádio/CD/MP3/USB/iPod/Bluetooth, sistema de interface multimídia (MMI), bancos dianteiros com ajustes elétricos, airbags frontais, laterais e de cabeça, controle de estabilidade e de tração, ABS com EBD, assistência de frenagem de emergência e sensor de chuva com acionamento de farol baixo, controlador de velocidade de cruzeiro, faróis de xenônio, sensor de estacionamento

Preço: R$ 149.700

Opcional: Sistema de navegação integrado ao MMI (R$ 10.350)

Prós: Tecnologia, Comportamento Dinâmico e Habitabilidade

Contra: Preço e Design

Comentários

Deixe uma resposta


7 − seis =

Ao enviar suas informações de registro, você indica que concorda com os Termos do serviço e leu e entendeu a Política de Privacidade do site do Correio de Uberlândia. Só serão liberados comentários cujos autores estejam identificados por nome e sobrenomes e que não contenham expressões chulas e/ou palavras de baixo calão.

Em função do período de campanha eleitoral e em atenção à legislação vigente, o CORREIO de Uberlândia se reserva o direito de não publicar comentários com viés político/eleitoral direta ou indiretamente direcionados aos partidos, agentes políticos, candidatos ou não, tanto na versão impressa quanto na internet.